REPÚBLICA DE CONDÉ
Atualmente os clubes com pouca capacidade de investi­mento recorrem a empresários, agentes de jogadores de futebol, que facilitam a montagem de elencos através de parcerias. Algumas oficiais, outras não. Na base de uma mão lava a outra, encontra-se meio de contratar profis­sionais que atendam à situação econômica de ambas as partes e preencham as posições, se não tecnicamente, pelo menos numericamente. Em circunstâncias assim o técnico, respaldado por seu empresário ou não, procura arrebanhar jogadores de seu relacionamento.

Botafogo…
Os primeiros anúncios de contratações do Botafogo de Ribeirão Preto falam de jogadores que trabalharam com o técnico Léo Condé em outras ocasiões. Isso pode ser por confiança ou apadrinhamento. Léo Condé é agencia­do por Francis Melo, o mesmo empresário de Enderson Moreira. Melo é um dos mais fortes do ramo, na asses­soria de imprensa e agenciamento de jogadores, está no seu sítio www.francismelo.com.br, onde a relação de clientes, além de Condé, inclui Fred, Thiago Neves, Osval­do Oliveira, Dátolo, Rogério Micale, Rafael Moura, Marcelo Oliveira, Marcelo Moreno e muitos outros.

Diego Tavares…
Não se sabe qual a participação do agente nas indica­ções de Condé, mas a notícia sobre o lateral Diego Ta­vares em todos os veículos apareceu com tom de as­sessoria. No estilo e no conteúdo. Informa que o novo contratado do Botafogo defendeu o Avaí em 13 jogos da Série A, mas não fala que o Avaí caiu e nem explica que Diego Tavares não conseguiu ser titular no time catarinense. Das 13 partidas, ele começou como titu­lar e permaneceu até o final em apenas uma, contra o Sport. Na outra, foi substituído aos 29’ do segundo tempo. Nas demais atuou alguns minutos no segundo tempo. E nas outras 25 rodadas ele ficou na reserva em umas e nem foi para o banco em outras.

Comentários