Mark Zuckerberg abriu seu coração sobre o difícil ano que está enfrentando no Facebook. Depois dos problemas com o vazamento de dados da Cambridge Analyiticaem março e a forte queda no preço das ações da empresa, o CEO postou em seu perfil oficial na rede social sobre como pretende contornar a situação. Para ele, levará ao menos três anos para arrumar a casa.

Ele ainda falou sobre a questão da interferência externa nas eleições intermediárias, que acontecem neste ano nos Estados Unidos. Recentemente, o Facebook foi convocado para explicar ao Senado como pretende colaborar para evitar possíveis problemas e prestar esclarecimentos.

“Tenho gasto muito tempo nesses problemas e assim que as coisas acalmarem eu devo descrever uma série de notas apontando o que estou pensando sobre eles e os passos para resolvê-los”, escreveu.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Embora acredite que o projeto para fazer a rede social mais segura tanto para os usuários quanto para evitar interferência externa, ele ainda informa que o Facebook começou a trabalhar em cima disso já no ano passado, de forma que, em 2019, já seja um ambiente melhor com os problemas resolvidos.

Zuckerberg ainda falou sobre liberdade de discurso dentro da plataforma. Para ele, é preciso garantir que as pessoas possam dizer o que pensam, contudo é necessário fazer com que todos tenham um ambiente seguro para isso.

Atualmente, foi adicionada à plataforma a verificação de publicidade e também mais detalhes sobre quem está investindo em anúncios na rede social. Para Zuckerberg, somente isso “já colabora para mitigar o problema”.

O CEO enfrenta problemas com privacidade e interferência em questões políticas desde o caso Cambridge Analytica em março, quando vazaram dados de mais de 87 milhões de usuários. A suspeita é de que as informações tenham sido usadas para favorecer a campanha que elegeu Donald Trump presidente dos Estados Unidos em 2016. Ainda, também há suspeitas de que a Cambridge Analytica tenha relação com o Brexit, que culminou na saída do Reino Unido da União Europeia.

Fonte: Facebook, Canaltech