O Departamento de Água e Esgotos de Ribeirão Preto (Daerp) abriu nesta terça-fei­ra, 7 de agosto, licitação para a compra de 135.220 hidrôme­tros, com valor estimado em R$ 11,16 milhões. O objetivo da compra dos equipamentos é substituir cerca de 15 mil apa­relhos parados ou embaçados, sem condições de leitura, e ou­tros cerca de 110 mil com mais de cinco anos de uso, tempo de vida útil recomendado pelo Ins­tituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inme­tro) até a substituição.

O processo licitatório será o pregão eletrônico. A medida não resultará em custo adicional para os consumidores, já que na conta mensal de água todos contribuem para o Fundo Especial para Subs­tituição de Hidrômetro (Fesh), instituído pela lei nº 1.959, de 4 de janeiro de 2006. Ribeirão Preto possui 194 mil ligações de água.

O Fesh estabelece que os re­cursos obtidos com o pagamen­to da tarifa serão utilizados para a substituição do equipamento. Atualmente, a tarifa mensal paga por usuário é de R$ 1,38. A lei também estabelece que os hidrô­metros sejam substituídos auto­maticamente quando estiverem com mais de cinco anos instalados no imóvel, parado ou embaçado, sem condições de leitura.
Equipamentos quebrados, danificados ou violados também serão substituídos após verifica­ção por parte da fiscalização no imóvel. Para o superintendente do Daerp, Afonso Reis Duarte, a medida também faz parte das ações da autarquia para diminuir as perdas na rede. Segundo levan­tamento divulgado pelo Tribuna em julho, 48% de tudo o que o Daerp produz se perde por furtos ou em vazamentos entre a capta­ção e o imóvel do consumidor.

A licitação aberta pela autar­quia será realizada na modalidade de pregão eletrônico e pretende comprar 117.269 hidrômetros classe B, com vazão de 0,75 metros cúbicos por hora (m³/h) e 17.951 hidrômetros classes C, com vazão de 1,5 m³/h. O edital está disponí­vel no site do Daerp e as propostas podem ser apresentadas até 20 de agosto, às nove horas. Em seguida será aberto o pregão com a dis­puta dos licitantes, marcada para as 9h30. O endereço é www.lici­tacoes-e.com.br. Para participar, os interessados deverão estar cre­denciados previamente perante o Banco do Brasil, que é o provedor do sistema, para a geração de cha­ve e senha de acesso.

Necessidade de substituição – A compra de hidrômetros servirá para a renovação dos equipamen­tos utilizados, a maioria com mais de cinco anos de utilização, e para fornecimento para novas ligações de água, seja para novas residên­cias ou novos empreendimentos imobiliários, que têm demanda significativa.

A última aquisição de medi­dores de água foi feita em 2016. De uma licitação de 110 mil uni­dades foram adquiridas 35 mil. As demais tiveram sua compra suspensa em função de suspeita de superfaturamento, com investi­gação em andamento pelo Minis­tério Público Estadual (MPE).

“A troca dos hidrômetros deve ser feita no máximo a cada cinco anos, porque com o desgaste de seus componentes a medição fica comprometida. Muitas vezes o re­gistro da quantidade de água che­ga a ser menor em cerca de 20%”, diz o diretor técnico do Daerp, Lineu Andrade de Almeida. Após a troca em grande quantidade, o Daerp passará a realizar as trocas periódicas, de forma a manter a idade média entre quatro e cin­co anos, para manter o padrão de medição.

Aumento na conta
Por funcionar com peças móveis, o hidrômetro se desgasta com o tempo. As peças perdem o desempenho no registro e acabam em vários casos, marcando menos do que o consumido. Com a subs­tituição, ele passará a marcar com mais precisão. Nestes casos, pode ocorrer um pequeno aumento na conta de água. No entanto, segun­do técnicos do setor, não é o novo hidrômetro que marca acima do consumido, é o velho que marca abaixo. Todos os hidrômetros são auferidos pelo Immetro.