Os vereadores que compõem a Comissão Parlamentar de In­quérito (CPI) da Estrada das Pal­meiras estiveram no canteiro de obras nesta sexta-feira, 9 de feve­reiro, e ficaram satisfeitos com o avanço dos trabalhos. Atualmen­te os operários trabalham para deixar as derivações para boca de lobo de micro drenagem ao longo da via. “Este trabalho é importan­te para evitar que seja necessário quebrar o asfalto, após a obra pronta e garante o escoamento da água pluvial. O Departamento de Água e Esgotos de Ribeirão Preto (Daerp) já aprovou os projetos de instalações de água fria e esgota­mento sanitário”, explica o secre­tário de Infraestrutura e Obras Públicas, Pedro Luiz Pegoraro, lembrando que o cronograma está sendo cumprido.

Esta etapa da obra de duplica­ção da avenida Antônia Mugnatto Marincek, a popular “Estrada das Palmeiras”, no Complexo Ribei­rão verde, Zona Leste da cidade, deve ficar pronta em 45 dias. “Fi­camos bastante satisfeitos com o andamento da obra e pela prefei­tura nos ter ouvido na necessidade de distrato com a antiga empresa, e acreditamos que será tudo entre­gue dentro do prazo prometido à população”, diz o presidente da CPI, Alessandro Maraca (MDB), que estava acompanhado dos vereadores Elizeu Rocha (PP) e Bertinho Scandiuzzi (PSDB) e do engenheiro Ailton Vieira de Souza Leite. Eles percorreram os quatro quilômetros da via.

No canteiro de obras tra­balham funcionários da Tecla Construções e também da Leão Engenharia, que está locando equipamentos para a empresa responsável pelo contrato. Na vi­sita, os vereadores da CPI foram informados que segue valendo o prazo de conclusão até dezembro deste ano. No ano passado, a co­missão concluiu que a adminis­tração municipal deveria romper, unilateralmente, o contrato com a Prime Infraestrutura, que venceu a licitação mas cumpriu menos de 10% do cronograma.

Apesar de o prazo de conclu­são ser de 18 meses, em meados de 2019 depois que o contrato com a Prime Infraestrutura foi rescindido – antes da rescisão unilateral, a previsão de inaugu­ração era para junho do ano que vem –, o prefeito Duarte No­gueira Júnior (PSDB) prometeu a duplicação para dezembro de 2018, seis meses antes.

Para viabilizar a obra foi neces­sário alterar itinerários de algumas linhas de ônibus e a implantação de mão única na rua Emygdio Rosseto, no sentido da avenida Antonia Mugnatto Marincek até a rua Erwin Seignemartin. A inter­venção terá continuidade porque a terceira empresa habilitada pela comissão de licitação, em abril de 2016, para execução do pro­jeto de duplicação da via, a Tecla Construções, aceitou, em 13 de novembro do ano passado, pros­seguir com as obras. A construtora é a mesma que realizou a polêmica reforma do calçadão.

A empresa havia se compro­metido a entregar as obras de pa­vimentação e duplicação da aveni­da Antônia Mugnatto Marincek, entre a Rodovia Anhanguera e rua José Malvaso, em 18 meses, contando a partir da data em que assinar o contrato, mas reduziu o prazo em seis meses. A duplicação da avenida é uma das obras que serão executadas com recursos do Programa de Aceleração do Cres­cimento II – PAC da Mobilidade Urbana, com investimento total de R$ 310 milhões.

Pelo cronograma original, de 24 meses, a duplicação deveria ser entregue em 18 de junho de 2018. Até agora as intervenções foram realizadas em um trecho de cerca de um quilômetro até o balão da Igreja de Santa Rita de Cássia das Palmeiras. A Prime Infraestutura venceu o certame ao apresentar o menor valor, de R$ 25,3 milhões. A obra estava orçada inicialmente em R$ 35,9 milhões.

A empresa recebeu da pre­feitura R$ 2,23 milhões. Ou seja, restam cerca de R$ 23,07 milhões para serem investidos na duplica­ção. Recentemente, a Associação de Moradores do Complexo Ri­beirão Verde, na Zona Leste, in­gressou com uma ação na Justiça. A Prime Infrarestrutura, segundo a administração, não concluiu os serviços, o que levou o governo a rescindir o contrato unilateral­mente. A empresa nega e citou vários fatores para justificar o atraso. A empreiteira realizou ape­nas 8,2% da obra e, com o valor remanescente, previsto de R$ 23 milhões, a Tecla Construções exe­cutará os 92% restantes.

Duplicação – A duplicação da avenida Antonia Mugnatto Marincek, a popular “Estrada das Palmeiras”, está sendo feita entre a Rodovia Anhanguera e a rua José Malvaso, no Jardim Antônio Pa­locci, beneficiando cerca de 80 mil moradores. Os mais de quatro qui­lômetros da avenida vão receber urbanização completa, que inclui duplicação da via, pavimentação, ciclovia, bancos, lixeiras, abrigos em ponto de ônibus, rampas, calçadas e paisagismo. A avenida também contará com infraestru­tura completa com a instalação de redes de água, esgoto e gale­rias de águas pluviais.

Comentários