Brasil | São Paulo | Ribeirão Preto,


 

Emílio diz ter se reunido com Lula para anunciar entrega de sítio – Tribuna Ribeirão

Tribuna Ribeirão

Menu

Emílio diz ter se reunido com Lula para anunciar entrega de sítio

O patriarca da maior cons­trutora do País, Emílio Odebre­cht, detalhou em sua delação premiada reunião com o ex­-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto, para confirmar que as obras do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), ficariam prontas no mês seguinte. Era final de 2010, tér­mino do segundo mandato. Os delatores revelaram que execu­taram uma reforma de R$ 1 mi­lhão na propriedade a pedido da ex-primeira-dama Marisa Letícia (morta em fevereiro).

Emílio contou aos procura­dores da força-tarefa da Opera­ção Lava Jato que, no encontro, o petista não teria ficado “sur­preso” com a informação. “Eu disse: olhe, chefe, o senhor vai ter uma surpresa e vamos ga­rantir o prazo que nós tínhamos dado no problema lá do sítio”. Emílio ainda contou que Lula não se mostrou surpreendido. Anotações e e-mails foram en­tregues pelo delator, como for­ma de comprovar a reunião.

A Lava Jato sustenta que o sítio em Atibaia, no interior de São Paulo, é patrimônio oculto do ex-presidente Lula, registrado em nome de dois sócios de seus filhos. Lula nega.

Segundo o depoimento de Alexandrino Alencar, que seria a ponte entre Emílio e Lula, a ex­-primeira-dama teria pedido, du­rante um evento de celebração do aniversário de Lula, em 2010, que a construtora ajudasse a terminar as reformas do sítio de Atibaia

O executivo teria informa­do Emílio sobre a solicitação. “Alexandrino me avisou do pe­dido de Dona Marisa e me disse para não comentar nada com o ex-presidente, pois Dona Mari­sa havia informado que o sítio era uma surpresa”. O patriarca da Odebrecht relatou ter con­cordado com o pedido. “Pedi a Alexandrino que conversasse com algum empresário nosso para identificar um engenheiro da Odebrecht que pudesse co­ordenar as obras, mas que nossa participação não fosse revelada, para evitar qualquer constrangi­mento, e assim foi feito”.
Emílio Odebrecht ainda rela­tou que, “da parte dele”, o segredo foi mantido “até o final do man­dato do ex-presidente”, quando houve a reunião no Planalto.

Comentários

comentários

Categorias: Geral