Um dia depois de o relator do processo que pode torná-lo inele­gível terminar seu voto, o ex-pre­sidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou nesta terça-feira, 5, a desa­fiar a Justiça, o Ministério Público e a Polícia Federal a apresentarem provas de que ele seja corrupto. Lula disse ser alvo de mentiras disseminadas pela internet e lem­brou as medidas de combate à corrupção adotadas nos governos do PT para dizer que o lugar de corruptos é na cadeia.

“Vocês sabem que eu tenho nove processos. Nove. E posso dizer para vocês de cátedra que o processo contra o Lula é o pro­cesso contra as coisas que nós fizemos no governo. Eu não vou entrar em detalhe, mas estou de­safiando o (juiz Sérgio) Moro, o Ministério Público e a Polícia Fe­deral a apresentarem um centavo que eu cometi algum deslize nes­se País”, disse o ex-presidente.

O ex-presidente voltou a exaltar a importância da criação de órgãos de controle criados nas gestões petistas. “Ninguém prendeu mais servidor público do que nós. Ninguém deu mais independência para o Ministério Público e fez mais investimento na inteligência da Polícia Federal do que nós. Quem aperfeiçoou o Coaf (Conselho de Controle de Aplicações Financeiras) e criou a Controladoria-Geral da Repú­blica fomos nós. Porque na nossa opinião ladrão tem que ir para a cadeia”, afirmou.

Lula fez as declarações em visita ao campus de Cariacica do Instituto Federal do Espírito San­to (IFES), construído durante seu governo. A visita faz parte da se­gunda etapa da caravana de cin­co dias pelos Estados do Espírito Santo e Rio de Janeiro.

Na segunda-feira, 4, o de­sembargador João Pedro Ge­bran Neto, relator do recurso de Lula no Tribunal Regional Fe­deral da 4ª Região (TRF-4), ter­minou seu voto. O ex-presiden­te foi condenado por Moro a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá. Se o TRF-4 confirmar a decisão de Moro, Lula pode ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa e ficar inelegível.

O petista, que é pré-candidato ao um terceiro mandato nas elei­ções do ano que vem, disse des­confiar que o objetivo dos pro­cessos é impedi-lo de participar da campanha do ano que vem. Lula lidera todos os cenários tes­tados nas pesquisas eleitorais.

Comentários