Barretos e Bebedouro – Investimentos
Empresas dos mais desenvolvidos países do mundo estão procurando municípios paulistas para investirem em cons­truções de indústrias aproveitando as peculiaridades da re­gião. Bebedouro e Barretos conseguiram implantação de duas grandes empresas. Resta saber se a nossa cidade possui es­trutura para atrair outras indústrias de países investidores que pretendam aproveitar de nossas condições que até há pouco tempo eram consideradas invejáveis.

Entroncamento aero-rodoviário
Temos um entroncamento aerorrodoviário que possuía tam­bém o ferroviário que está capengando. Ninguém se interessa em cobrar das autoridades superiores que se mude esta situ­ação. Possuímos algumas composições que fazem o transla­do de álcool, açúcar, e outros produtos agrícolas. Não temos mais os trens de passageiros que faziam a linha para Brasília e São Paulo. O de Brasília era famoso e de qualidade. Retira­ram-no sem explicações e ninguém cobrou.

O aeroporto internacional vai ou não
O aeroporto internacional no Leite Lopes está devagar. A em­presa que foi contratada para realizar a obra esta com algu­mas máquinas e poucos empregados. Na época das eleições ficaram algumas maquinas e pouquíssimos funcionários. Esta na hora de nossos deputados cobrarem com vigor.

Furtaram trilhos
A associação que congrega ex-ferroviários estava tentando reativar a linha da São Paulo e Minas e constatou que e im­possível, pois a maior parte dos trilhos foi furtada. A empresa que assumiu as funções da Fepasa ficou sem se manifestar e seria de sua responsabilidade zelar pelo bom estado da malha ferroviária. Também ninguém cobrou.

Embraer viria para Ribeirão e Sertãozinho
Quando prefeita de Sertãozinho uma senhora de tradicional famí­lia daquela localidade veio a Prefeitura local e ofereceu trazer a Embraer para que as duas cidades pudessem usufruir dos impos­tos compartilhados. O prefeito da época não deu muita atenção, embora o governador Covas estivesse interessado em trazer para esta região aquele grande empreendimento, agora multinacional, que está em Gavião Peixoto. Ficamos “chupando o dedo”.

Cervejaria
Outro empreendimento que deixamos de conseguir foi a de uma grande cervejaria que teve vetos de outra que aqui estava funcio­nando. Era para ser implantada onde se localizava a Água Sertaneja, entre Sertãozinho e Ribeirão Preto. A água da fazenda do Sr Henrique Maria dos Santos era semelhante à de Vichy da França. Perdemos.

Caveira de burro enterrada
Quando as coisas começam a não dar certo dizia se em outros tem­pos que na região existe “caveira de burro” enterrada. Será que temos algumas por aqui. É preciso encontrá-las. Ou fazer uma reza poderosa.