O presidente nacional do PSDB, o governador de São Pau­lo, Geraldo Alckmin, disse na tarde desta quinta-feira, 8, que não se sente “sabotado” pelo ex­-presidente Fernando Henrique Cardoso pelo fato de ele elogiar e se encontrar com o apresentador Luciano Huck, apontado como possível candidato à Presidência da República neste ano.

“Vivemos momentos na po­lítica de incivilidade. Política é arte, ciência ao encontro do bem comum. Não é guerra, não é mata-mata. Luciano Huck é uma excelente liderança, jovem, ami­go do presidente Fernando Hen­rique já há alguns anos e inclusive nossa, já me ajudou, fez campa­nha comigo na zona leste quan­do eu fui candidato a prefeito de São Paulo em 2000.

Então, gestos de estímulo são muito positivos. Eu também estimulo as novas gerações, as novas lideranças que participem da vida pública”, afir­mou Alckmin quando pergun­tado se FHC está ou não ao seu lado por jornalistas no Palácio dos Bandeirantes após participar de evento público.

“Se (Huck) vai ser candidato cabe a ele definir. O presidente Fernando Henrique é um esta­dista. Aliás, devo a ele a escolha para ser presidente do PSDB”, completou. Segundo o gover­nador, o termo “incivilidade” foi usado por ele para explicar que hoje não se pode elogiar alguém que já se acha que se está lan­çando candidato.

Huck por sua vez, diz que irá decidir se disputará a Presidência da República após o carnaval. An­tes, ele havia descartado qualquer possibilidade de disputar o pleito.