Após três anos de ausên­cia, Ribeirão Preto volta a disputar uma das maiores competições do Estado de São Paulo, os Jogos Abertos do Interior “Horácio Baby Barioni”. A 82º edição dos JAI será realizada em São Carlos e as disputas acon­tecerão de 14 a 24 de no­vembro. A delegação ribei­rão-pretana será composta por cerca de 270 atletas, que irão representar a cidade em 37 modalidades, entre equi­pes masculinas e femininas.

Eles vão competir com aproximadamente 15 mil atletas divididos em 1.828 equipes, com a participação confirmada de 218 municí­pios do Estado de São Paulo. Outros números dos JAI tam­bém impressionam, como a quantidade de árbitros, em torno de 560, quase 950 par­tidas de esportes coletivos, 40 locais de provas, 69 escolas municipais e estaduais para alojamento e outros três alo­jamentos coletivos.

O secretário de Esportes de Ribeirão Preto, Ricardo Aguiar, falou sobre o bom desempenho que a cidade alcançou nos Jogos Regio­nais, disputados em Matão. “Realizamos um excelente Jogos Regionais, onde le­vamos a maior delegação de atletas dos Jogos com a conquista de 194 meda­lhas. Todo esse trabalho nos credenciou a disputar no­vamente os Jogos Abertos, uma das competições mais tradicionais e importantes do Estado de São Paulo”.

As modalidades com atletas de Ribeirão Preto na disputa serão o atletismo, badminton, basquete, bas­quete 3×3, boxe, capoeira, ciclismo, damas, futebol, fut­sal, ginástica artística, han­debol, judô, karatê, natação, rugby, tênis de campo, tênis de mesa, vôlei, vôlei de praia e xadrez. Já para os atletas com deficiência, serão o atletismo e a natação.

Os atletas ribeirão-preta­nos começarão a seguir em grupos para São Carlos, sede da competição, a partir de terça-feira, dia 13 de novem­bro, saindo da Cava do Bos­que, de acordo com o calen­dário das disputas. A equipe de apoio irá na segunda-feira, dia 12, para organizar toda a estrutura para receber os atletas. A delegação de Ri­beirão Preto ficará na cidade de Ibaté, distante 15 quilô­metros de São Carlos, e que junto de Descalvado receberá delegações e disputas dos Jo­gos Abertos.

“Este é o resultado do in­vestimento e reorganização das nossas atividades, desde a base ao alto rendimento. Com planejamento e o su­porte de todos os funcioná­rios, técnicos e professores da Secretaria de Esportes, vamos oferecer aos nossos atletas a melhor condição para que possam competir e representar muito bem o nos­so município”, conclui Ricar­do Aguiar.

A última vez que Ribei­rão Preto participou dos Jo­gos Abertos do Interior foi em 2014, na 78ª edição. Em 2015, a cidade seria a sede da “Olimpíada Caipira”, mas desistiu e passou o bastão para Barretos. Essa iniciativa teria sido motivada porque o Ministério Público Estadual (MPE) barrou a interrupção das aulas para que as esco­las fossem usadas como alo­jamentos – segundo disse a administração Dárcy Vera à época. Como desistiu tam­bém de disputar os JAI de 2016, a cidade foi suspensa da edição do ano passado, in­clusive dos Jogos Regionais, voltando à disputa em 2018.

 

História dos Jogos Abertos do Interior
Além de ter sediado o evento em cinco oportunidades (1941, 1942, 1947, 1952 e 1981), o melhor desempenho de Ribeirão Preto nos Jogos Abertos do Interior foi a conquista do vice-campeonato em sete oportunidades (1941, 1942, 1947, 1948, 1949, 1952 e 1953), período em que Santos conquistou os JAI por 15 vezes consecutivas (entre os anos de 1940 e 1954).

Considerado o maior evento esportivo da América Latina, já que irá receber mais atletas do que os participantes das Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, que contou com 11.400 atletas de 205 países, os Jogos Abertos do Interior (JAI) foram criados em 1936, tendo como idealizador Horácio “Baby” Barioni, um dos mais antigos cronistas esportivos paulistas, e reuniu seis cidades em Monte Alto, município localizado na Região Metropolitana de Ribeirão Preto.

Neste formato, Uberlândia sagrou-se campeã da primeira edição, superando Franca, Mirassol, Monte Alto, Olímpia e Piracicaba. O município mineiro sediou a competição no ano seguinte, na única vez em que o evento aconteceu fora do Estado de São Paulo. Em oito décadas, os Jogos Abertos deixaram de ser realizados em uma única ocasião, em 1989.

Os Jogos Abertos surgiram com o nome de Campeonato Aberto do Interior, em 1936, reunindo seis cidades em um torneio de basquete. No ano seguinte, a competição também contou com a prática da natação. A partir de 1938, houve o reforço das provas de atletismo e, com isso, o evento começou a ganhar as suas características atuais e abriu espaço para a entrada de mais modalidades. Com o passar dos anos, o evento obteve cada vez mais importância, tornando-se uma espécie de olimpíada do interior de São Paulo.

Os Jogos Abertos são conhecidos por revelar atletas de ponta como Hugo Hoyama (tênis de mesa), Fabiana Murer (salto com vara), Edinanci Silva (judô) e André Heller (vôlei). Até a 81ª edição, somente nove cidades conquistaram o título. A maior campeã é Santos, com 26 títulos, seguida de São Caetano do Sul, com 16 e Santo André, com 12. A cidade que mais vezes conquistou o segundo lugar foi Campinas, com 18 vice-campeonatos. Santos também é a cidade que mais vezes sediou os Jogos Abertos do Interior, com oito edi­ções, seguida de Ribeirão Preto, com cinco.