A 5ª reunião da Região Me­tropolitana de Ribeirão Preto (RMRP) reuniu prefeitos para discutir temas voltados a recursos hídricos, meio ambiente e agrone­gócio. O presidente do Conselho de Desenvolvimento da RMRP, Duarte Nogueira Júnior (PSDB), instalou a 2ª Câmara Técnica, desta vez voltada ao saneamento. A próxima reunião, prevista para 22 de janeiro de 2018, também trará as primeiras discussões para implantação do Plano de Desenvolvimento Urbano Inte­grado da RMRP (PDUI).

Para abordar o futuro do agronegócio na RMRP, o secre­tário estadual de Agricultura e Abastecimento, Arnaldo Jardim, apresentou um histórico do setor no Estado. “O agronegócio em São Paulo é responsável por 19% do Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro. É o Estado com maior participação, que responde sozinho por 21% de tudo o que é produzido no campo. Em 2016, foram R$ 78,5 bilhões em valor da produção agropecuária (VPA), 24,1% su­perior a 2015”, disse Jardim.

Em seguida o diretor supe­rintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), Ricardo Borsari, citou as ações do órgão na Região Metropo­litana de Ribeirão Preto, ressal­tando a importância da atuação dos municípios de forma inte­grada no que diz respeito a sane­amento básico. Também falou sobre a importância do trabalho desenvolvido nos municípios.
“A Sabesp é a quarta maior empresa de saneamento do mundo em população atendida. É responsável por 367 municí­pios, quase 66% da população do estado de São Paulo. Possui 113 estações de tratamento de esgoto no interior e no litoral”. Após as apresentações, Duarte Nogueira mostrou uma proje­ção vegetativa do aglomerado para 2050 e estimou que chegará 2,2 milhões de habitantes.

“Para planejarmos o futuro da nossa Região Metropolitana é im­portante levarmos em conta o fato que vivemos um sistema hidro­gráfico compartilhado. Quanto mais criteriosos e parceiros em questões relacionadas a água tratada, esgoto tratado, todo aglomerado será beneficiado”. Em março de 2019 Ribeirão Preto terá 100% de água tratada, esgoto coletado e tratado. A maior cidade do Brasil a ter os três servi­ços universalizados”.

Ele ainda afirmou que três fatores são os principais desafios para as 34 cidades nos próximos anos, saneamento, segurança pública e mobilidade urbana. Durante a reunião, o Conselho de Desenvolvimento também aprovou a criação de uma câ­mara temática para o setor agropecuário. A proposta, ór­gão formado por especialistas com o objetivo de estudar e ofe­recer sugestões técnicas ao setor agropecuário, foi feita por Arnal­do Jardim. “Acho que seria uma forma de focar em políticas públi­cas, de poder orientar determina­das ações para uma região que é campeã da agropecuária”, diz.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui