Testemunha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso envolvendo obras no Sítio San­ta Bárbara, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foi questionado pelo juiz federal Sérgio Moro se já “recebeu por fora”, ou por meio de “reformas” em algum de seus imóveis por suas palestras.

O tucano falou por video­conferência ao juiz no âmbito da ação em que o petista é réu por supostas propinas de R$ 1 milhão da OAS, Odebrecht e Schahin. O valor é referente a reformas supostamente custea­das pelas empreiteiras no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia.
Os proprietários do imóvel são o filho do ex-prefeito de Cam­pinas, Fernando Bittar, e Jonas Suassuna. Segundo a força-tarefa da Operação Lava Jato, Lula seria beneficiário das reformas. O ex­-presidente nega.

Enquanto testemunha de de­fesa de Lula, FHC foi questionado pelos advogados do petista sobre como recebe por suas palestras e como se dá a prestação de contas de seu Instituto. Ele disse que é “tudo declarado e normal”. “Deus me livre que não seja”.

Em meio à audiência, o ex­-presidente também foi questio­nado pelo juiz da Lava Jato sobre como era pago pelas palestras e outros trabalhos. “Alguma em­presa reformou alguma proprie­dade que utilizava por fora, em reforma, algo assim?”

“Isso é feito através de um agente que faz o contrato e eu usualmente não conheço os do­nos ou representantes da empre­sa. Vou conhecer eles na hora. Nunca, jamais, nada disso, nem por fora, nem participar de ne­nhum momento de reforma. Eu não tenho muita coisa a reformar, só minha cabeça mesmo”.