ALFREDO RISK

A Empresa de Trânsito e Transporte Urbano de Ribeirão Preto (Transerp) lançou nesta segunda-feira, 5 de novembro, o projeto “Frente Segura Ribeirão”, que consiste na implantação de uma área de espera exclusiva para motocicletas e similares antes da faixa de retenção nos semáforos. A iniciativa integra o programa “Siga Consciente”.

A sinalização horizontal prevê um espaço de cinco metros na via para que as motocicletas e simi­lares possam aguardar a abertura do semáforo e sair antes dos ou­tros veículos, evitando acidentes e ultrapassagens arriscadas. Inicial­mente, o projeto foi implantado no cruzamento das avenidas da Saudade com a Doutor Francisco Junqueira, na divisa dos Campos Elíseos com o Centro, local que concentra um dos maiores fluxos de veículos do município.

“Com o projeto ‘Frente Segura Ribeirão’, os motociclistas e ciclis­tas terão prioridade, evitando que tenhamos ultrapassagens arrisca­das e a expectativa é que tenha­mos uma diminuição do número de acidentes em nossa cidade”, diz o superintendente da Tran­serp, Antonio Carlos de Oliveira Júnior. Ele também destaca que a área exclusiva para as motocicle­tas permite mais conforto para os automóveis, uma vez que elimina a aglomeração de motos ao lado dos carros e a disputa pelo espaço.

“Por se tratar de uma ação de engenharia de trânsito e não regulamentada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), não cabe penalidades pelo não respeito à sinalização, mas a Tran­serp irá promover ações de cons­cientização para que os motoristas respeitem esta área exclusiva para as motocicletas e similares, que são os condutores de maior vulne­rabilidade no trânsito”, completa Oliveira Júnior.

Além da sinalização horizon­tal implantada com os pictogra­mas, o departamento de Trânsito da Transerp vai reforçar o trecho com placas (vertical), evidencian­do que o espaço é destinado para as motocicletas e similares. A em­presa listou os principais objetivos do projeto: proporcionar maior segurança para as motocicletas e ciclistas, diminuindo o conflito com autos no momento da larga­da no verde do semáforo; aumen­tar o respeito das motos à linha de retenção e à faixa de travessia; dar maior visibilidade às motos junto às travessias de pedestres; e dimi­nuir o número de acidentes envol­vendo motos, ciclistas e pedestres no cruzamento.

Segundo o Movimento Paulis­ta de Segurança no Trânsito (Info­siga-SP), das 75 mortes registradas na malha viária de Ribeirão Preto neste ano, até 30 de setembro, 46,6% foram de motociclistas – 35 motociclistas morreram nas ruas e avenidas da cidade, aumento de 2,94% e uma a mais em relação aos 34 óbitos do mesmo período de 2017. A média é de um faleci­mento a cada dez dias.

Ciclista
Atropelado no dia 28 de ou­tubro, na rua Palmiro Bim, no Parque dos Pinus, Zona Noroeste de Ribeirão Preto, Müller Antony Araújo Pereira, de 24 anos, não re­sistiu e foi a óbito na madrugada desta segunda-feira (5) no Cen­tro de Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Santa Casa, que comu­nicou o falecimento para a Polícia Civil. Ele seguia de bicicleta para a residência da avó quando um carro, que não teria respeitado a sinalização de “pare” no local, atingiu o ciclista e fugiu sem prestar socorro à vítima. Müller sofreu traumatismo craniano. A ocorrência é investigada pelo 5º Distrito Policial.