Jornal Tribuna Ribeirão

A educação básica pública não é quartel!

Os países que alcançaram o desenvolvimento econômico e social, o fizeram investindo maciçamente em educação, desde a educação básica a universidade, com ênfase nas pesquisas e no desenvolvimento de tecnológico, e para alcançar seus objetivos foi imprescindível a parti­cipação do Estado como provedor das políticas educacionais e sociais, pois só com um Estado forte pode haver desenvolvimento. No entanto o liberalismo apregoa o Estado mínimo, e a politicanalha em curso no Brasil está fazendo tudo para isso se efetivar, e para atender os excluídos deste sistema cruel a filantropia entra em ação – mas para auferir seus lucros monumentais vivem pendurados nas vastas tetas do erário.

O Brasil por opção deliberada impôs a dicotomia na educação, que coloca em campos opostos os filhos dos ricos que vão governar, e os filhos dos pobres que vão ser subalternos. Acontece que no Brasil a classe poderosa, não sabe ou não quer saber o significado da palavra Nação, e por conta disso não temos uma elite, pois elite é o suprassumo de um segmento. A educação básica pública sempre foi largada às traças, até que a política do Tio Sam incluiu o Brasil na sua política de boa vizinhança, que visava combater o fantasma do comunismo na América Latina – então surgiu a Aliança para o Progresso, que destinava vultosos recursos para a educação básica, aí o olhar dessa gente de “bem” se voltou para os pobres e excluídos.

Apesar da proteção que a Constituição cidadã garante à educa­ção básica, inclusive tendo um capítulo dedicado a este tema, não avançamos como deveríamos. A Constituição mostrou o caminho, mas desde a sua Promulgação vem sendo vilipendiada pelos entre­guistas de plantão, começando pelo presidente que a assinou, dizen­do que era uma Constituição para a Suíça, pois era muito avançada para o os padrões brasileiros – coisa de gente criminosa. E de lá para cá a coisa só piorou. A verba carimbada da educação básica desper­tou a sanha desta gente entreguista, que faz tudo para abocanhar a maior parte do dinheiro da educação, com o argumento tacanho de que pobre tem mais dificuldade para aprender.

A pedagogia libertadora de Paulo Freire, que é reconhecida mun­dialmente, e aplicada com sucesso em diversos países, pois dá ênfase à autonomia dos educandos e com isso se forma a cidadania, mas para essa gente de “bem” falar em cidadania é coisa de esquerdista e de comunista, e por conta desta índole escravagista, movem céus e terra para que a educação básica pública não consiga cumprir a sua função constitucional, e para isso criam sofismas para depreciar a educação autônoma, dando ênfase ao ensino retrógado que privilegia a decoreba. A escola sem partido e as escolas cívico-militar são os exemplos do retrocesso que querem impingir aos filhos da classe trabalhadora.

O golpe que instituiu a República no Brasil despertou nos quar­téis a ideia de que com a derrocada do Império, eles passariam a ser o quarto poder, herdado diretamente do Imperador. E de lá para cá nunca mais deixaram de se intrometer indevidamente na política brasileira. Em qualquer democracia, não se admite a intromissão de militares em assuntos civis, mas nas terras brasilis é golpe em cima de golpe. A pedagogia para a autonomia parece coisa do século 21, no entanto João Amós Comênio, o pai da Didática Magna em pleno século 17, afir­mava: “que todas as pessoas tinham direito a educação, todas, e que se deve buscar encontrar um método em que os docentes ensinem menos e os discentes aprendam mais, mais tempo livre, mais alegria e mais proveito”. O atraso educacional brasileiro fica explícito, quando nos dias de hoje se fala em escolas cívico-militares para os filhos dos pobres.

Os fatos ocorridos em uma destas tragédias em forma de escola, que fica na cidade de Goiana, mostraram que a polícia não está preparada e não tem competência para estar dentro de uma escola, afinal a escola não é uma instituição correcional de menores, a esco­la é lugar de se aprender a autonomia, de se apropriar da cidadania e buscar a felicidade, coisa que a nossa polícia desconhece.

Mais notícias

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
AllEscort