Celso Cenedeze (Detalhe) e tradicional Autopeças em Ribeirão Preto - Fotos Arquivo Pessoal

Morreu na madrugada deste sábado (2), o Sr. Celso Antônio Cenedeze, aos 82 anos de idade. Ele estava internado no Hospital Beneficência Portuguesa, há cerca de 50 dias, com insuficiência respiratória e problemas renais. Ele não tinha filhos e deixa as irmãs, Célia e Cyla.

Celso comandou a ‘Cenedeze’ – do ramo de autopeças para veículos em geral – no Centro de Ribeirão Preto, por cerca de 70 anos, estabelecida no mesmo endereço, na Rua José Bonifácio.

“A loja que inicialmente era uma fundição, foi fundada pelo pai dele, Durvalino Cenedeze, em 1938”, lembra Marcos Cenedeze, sobrinho de Celso. Da fundição, Celso, passou para o ramo de autopeças. “Mesmo doente, eu e meu irmão o trazíamos pra loja até o ano passado. Depois, ele não aguentou mais”, lembra o sobrinho.

“Foi um dos mais tradicionais comerciantes de Ribeirão Preto. Gente que fez o fortalecimento e a própria história do comércio local. Acredito que tenha sido o nome mais forte do seu segmento”, destacou o presidente da Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto, Dorival Balbino.

As últimas homenagens estão sendo prestadas no Velório Samaritano (Rua Flávio Uchôa, 989, bairro dos Campos Elíseos) e o enterro será neste sábado, às 15h45, no Cemitério da Saudade.

 

Comentários