A contabilidade, como diversas outras profissões, passa por um momento de transformação. Apenas para refletir, coloco algumas questões que entendo ser necessário ponde­rar, sobre esse processo. Ultimamente temos visto empresas oferecendo serviços contábeis em forma de “pacote de bene­fícios”, colocando o processo contábil como algo puramente tecnológico e automatizado.


Talvez seja acertado exigir, por meio, de entidades de classe, que tais empresas sejam mais claras e éticas ao oferecerem tais serviços. O CRC RS – Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul emitiu um parecer sobre instituições financeiras que assumem a contabilidade de empresas. De acordo com a entidade “a medida pode ser prejudicial para a saúde dos negócios. Uma entidade que se propõe a oferecer serviços financeiros não tem a imparciali­dade necessária para oferecer serviços contábeis que aten­dam às necessidades da empresa”.

Afirma ainda que a “parceria comercial entre bancos e empresa contábil demonstra um flagrante conflito de inte­resses com consequências que podem ser desastrosas para o futuro do seu empreendimento”. A 4ª Revolução Industrial já chegou. Informamo-nos a respeito e vivenciamos no dia a dia seu efeito: Ifood, Uber, reuniões à distância, comunica­ção instantânea, entre outros. Existem estudos de que muitas crianças que têm entre 08 e 12 anos hoje, trabalharão em uma profissão que ainda não existe. Não é só a contabilidade que está passando por modificações. Quase todas as profissões correm sérios riscos de sofrerem alterações, serem substituí­das por aplicativos.

Estamos perdidos? Não sei. Assusta? Sim. Mas todas as revoluções industriais foram salutares para a humanidade. Hoje vivemos muito melhor. Por isso continuo com a minha tese de que devemos nos movimentar em prol da nossa pro­fissão. Reinventar, lutar por ela, estar em constante processo de qualificação e mostrar para a sociedade que a tecnologia faz um trabalho automatizado, básico, simples e rotineiro. A verdadeira contabilidade conta um trabalho de profissionais, consultores, que se dedicam a prestar um trabalho perso­nalizado, com foco em cada um de seus clientes, prestando informações relevantes que objetivam o crescimento, planeja­mento e estruturação de cada um deles. São ações especializa­das que dependem de decisões humanas.

Ainda entendo que as parcerias, principalmente tecnoló­gicas, são fundamentais. É necessário investir em marketing, educação continuada, manter a lealdade profissional entre colegas do segmento, cobrando preços justos, de forma não desvalorizar a classe, cobrando valores abaixo da média. Por todos esses motivos, ainda acredito que só conseguiremos nos fortalecer e valorizar a nossa profissão,por meio das ações que podemos e devemos promover junto às entidades contábeis.

Empresários da contabilidade, a Casa do Contabilista está de portas abertas para que juntos, possamos fortalecer o seg­mento por meio de nossas ações. Associe-se, vamos construir juntos, alternativas para que nossa profissão ocupe um lugar digno perante a sociedade, mostrando que a principal finali­dade da Ciência Contábil é o auxílio da gestão e a geração de controles e informações acerca do patrimônio das entidades, criando valores para as organizações.Ana Corsino Picão

Comentários