DIVULGAÇÃO

O secretário municipal de Educação, Felipe Elias Miguel, afirmou na tarde desta terça-fei­ra, 30 de março, durante coletiva de imprensa online, que as aulas presenciais nas 110 escolas da rede de ensino de Ribeirão Preto continuam suspensas por tempo indeterminado e descartou o re­torno antes de 10 de maio.

De acordo com Miguel, as atividades remotas serão manti­das para os 46.228 alunos até lá. Já as cerca de 300 escolas parti­culares da cidade poderão reto­mar o atendimento presencial a partir de segunda-feira, 5 de abril, com 35% da capacidade, apesar da recomendação da pre­feitura para manutenção das ati­vidades remotas durante a fase emergencial do Plano São Paulo, prorrogada até 11 de abril.

As 82 unidades da rede es­tadual de Ribeirão Preto depen­dem de autorização do governo João Doria (PSDB). Estão aber­tas apenas para alimentação e distribuição de materiais e chips mediante agendamento prévio, segundo a fase emergencial. A volta das aulas presenciais foi suspensa por uma decisão do juiz João Baptista Cilli Filho, da 4ª Vara do Trabalho de Ribeirão Preto, que concedeu liminar em 25 de fevereiro. O retorno estava marcado para 1º de março, mas hoje as aulas estariam suspensas por causa da fase emergencial do Plano São Paulo.

Ribeirão Preto tem 110 esco­las de educação infantil e de en­sino fundamental e dos 46.228 estudantes matriculados. Conta ainda 22 escolas conveniadas. O ano letivo na rede municipal de ensino teve início em 8 de mar­ço exclusivamente remoto para os alunos da educação infantil, ensino fundamental, educação de Jovens e Adultos (EJAA) e educação especial.

Além da decisão da Justiça do Trabalho que proíbe o retor­no, da qual a prefeitura já recor­reu, a volta das aulas presenciais foi adiada porque a secretaria espera vacinar boa parte dos professores e trabalhadores da educação acima de 47 anos. O grupo foi incluído no Plano Es­tadual de Imunização contra a covid-19 e começará a receber as doses em 12 de abril, segundo o governo paulista. São 350 mil profissionais em todo o Estado.

Em Ribeirão Preto, a secre­taria tem entre doze e 13 mil profissionais ligados à educação básica, onde cerca de cinco mil profissionais têm acima de 47 anos. Segundo Felipe Elias Mi­guel, “a expectativa que a gente receba doses suficientes para aten­der esses cerca de cinco mil pro­fissionais nesta primeira fase.”

A Secretaria Municipal da Educação, em parceria com a da Saúde, começou a testagem fa­cultativa para covid-19 em seus funcionários na segunda-feira (29). Os testes estão sendo reali­zados em três escolas da rede de ensino ribeirão-pretana e vão até esta quarta-feira (31).

A secretaria optou pela testagem em três dias e em es­colas diferentes para que pro­fessores e servidores da área administrativa não promovam aglomeração. Já foram testados os funcionários e professores do ensino básico (PEB I). Hoje é a vez de PEB II e III.

“Os testes seriam usados na volta das aulas presenciais. Como isso não aconteceu, re­solvemos disponibilizar para os funcionários de um modo geral e, assim, colaborar com a Secretaria da Saúde no traba­lho de levantamento da doen­ça e otimização das respostas”, explica o secretário da educa­ção, Felipe Elias Miguel.

Em fevereiro, em visita à Câ­mara, o secretário Felipe Elias Miguel afirmou que os cerca de três mil professores da rede municipal de ensino de Ribeirão Preto seriam testados para o co­ronavirus a partir do retorno das aulas presenciais. Disse que os servidores também passariam pela testagem. Os kits diagnós­ticos para imunoglobulina, do­ados pelo Shopping Iguatemi, detectam o IGM/IGG para o coronavírus (Sars-CoV-2).