O governador João Doria (PSDB) lançou nesta sexta-feira, 10 de setembro, o Bolsa Empre­endedor, programa inédito com oferta de 100 mil bolsas para au­tônomos informais em situação de vulnerabilidade. O Estado vai investir R$ 100 milhões no projeto, com prioridade para mulheres, jovens, pretos e par­dos, indígenas e pessoas com deficiência que também vão re­ceber qualificação e migrar para o mercado formal.

São 2.291 vagas para a Re­gião Administrativa (RA) de Ribeirão Preto, formada por 26 cidades – conta ainda com Altinópolis, Barrinha, Bro­dowski, Cajuru, Cássia dos Co­queiros, Cravinhos, Dumont, Guariba, Guatapará, Jabotica­bal, Jardinópolis, Luís Antônio, Monte Alto, Pitangueiras, Pon­tal, Pradópolis, Santa Cruz da Esperança, Santa Rita do Passa Quatro, Santa Rosa de Viterbo, Santo Antônio da Alegria, São Simão, Serra Azul, Serrana, Sertãozinho e Taquaral.

Ainda há 1.486 para a RA de Franca e mais 990 para a Re­gião Administrativa de Barretos. “O Bolsa Empreendedor é uma ação ancorada em três pilares. Primeiro, o auxílio financeiro que é fundamental. É preciso, é o recurso que faz a diferença para o empreendedor se sentir amparado e avançar em sua iniciativa”, diz Doria.

“Depois, a qualificação, e aí tem o papel importante do Se­brae para orientar e evitar que a pessoa cometa erros. E a orien­tação para a formalização, que também é um trabalho con­junto do Sebrae, governo do Estado e prefeituras”, emenda o Governador. “Outro valor muito significativo é a priori­dade do programa para mu­lheres, negros, mulatos, indíge­nas, jovens entre 18 e 35 anos e pessoas com deficiência. Isso é claro, definitivo e decisivo nes­te processo”, destaca Doria.

A iniciativa é capitaneada pela Secretaria de Desenvolvi­mento Econômico, em parceria com a Secretaria de Governo e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em São Paulo (Sebrae-SP). O objetivo é impulsionar novos empreendimentos, incentivar pequenos negócios e tirar au­tônomos da informalidade. O Bolsa Empreendedor deve be­neficiar, direta e indiretamente, cerca de 400 mil pessoas.

“O crescimento de empre­endedorismo por necessidade impactou desproporcionalmen­te as mulheres, os jovens e os negros. É com este olhar que es­tamos lançando este programa”, afirmou a Secretária de Desen­volvimento Econômico Patricia Ellen. “Neste momento, é nosso papel ajudar quem mais precisa. Não dá para pensar só em cres­cimento econômico se ele não é distribuído e não alcança as pes­soas que precisam”, reforçou.

Cada bolsa será de R$ 1 mil e paga em duas parcelas de R$ 500. Para ter acesso ao progra­ma, os autônomos devem par­ticipar de um curso gratuito de empreendedorismo do progra­ma Empreenda Rápido, com frequência mínima de 80%. Todos também devem obter formalização como microem­preendedor individual (MEI) ou outra natureza jurídica.

O Bolsa Empreendedor vai receber inscrições de moradores dos 645 municípios paulistas, desempregados ou informais maiores de 18 anos e sem ins­crição de cadastro nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) como empresário, sócio ou adminis­trador de pessoa jurídica. Pesso­as formalizadas em 2021 serão aceitas no programa.

Qualquer pessoa elegível pode se inscrever no portal do Bolsa do Povo (www.bolsado­povo.sp.gov.br), entre os dias 10 e 19 de setembro. As 100 mil bolsas serão distribuídas entre as regiões administrativas do estado de forma proporcional à população vulnerável inscri­ta no Cadastro Único do go­verno federal (CadÚnico) até janeiro de 2021. Haverá ordem de prioridade de acordo com a quantidade de vagas disponí­veis em cada região.