ALFREDO RISK/ARQUIVO

O Sindicato dos Empre­gados em Estabelecimentos Bancários de Ribeirão Preto e Região divulgou nota nesta quinta-feira, 8 de abril, para revelar que vai recorrer da de­cisão do desembargador I’talo Fioravanti Sabo Mendes, pre­sidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

O magistrado derrubou as liminares do juiz Rolando Spanholo, da 21ª Vara Fede­ral do Distrito Federal, que autorizou dez entidades pri­vadas a importarem vacinas contra a covid-19 sem a obri­gação de repassá-las ao Sis­tema Único de Saúde, como determina a lei. O sindicato está na lista

A decisão atendeu recurso feito pela Advocacia-Geral da União (AGU). Segundo a nota, a luta judicial do sindicato tem por objetivo conquistar auto­rização para importar vacinas contra a covid-19 e imunizar toda a categoria bancária e seus familiares na região, que compreende 37 municípios e conta com aproximadamente 4.300 bancários.

“Desde o início da pandemia eles encontram-se, a exemplo dos profissionais da saúde e da segurança pública, totalmente expostos ao contágio. Atuando na linha de frente em suas agên­cias, onde o quadro de aglome­rações é caótico, com risco real de contágio dos trabalhadores e, por consequência, seus fa­miliares”, diz parte do texto.

A entidade afirma que com­pra de vacinas não é caso de “fu­rar a fila”, e sim de criar condi­ções para a imunização de uma categoria caracterizada através de decreto presidencial como essencial para o desenvolvimen­to da nação e para a sociedade.

“Principalmente para fa­mílias em condições de vulne­rabilidade e trabalhadores da informalidade, dependentes do auxílio emergencial e im­portantes políticas sociais que visam socorrer a população neste momento passando ine­vitavelmente pelo sistema ban­cário”, conclui o texto.