Banda Čao Laru faz show em RP

0
40
ANA MORAES

A banda franco-brasileira Čao Laru, que nasceu em 2016 e já foi composta por integran­tes da Argentina, Itália e Méxi­co, mas hoje é formada em sua maioria por brasileiros e fran­ceses, vai estacionar sua perua Kombi em Ribeirão Preto nesta sexta-feira, 21 de fevereiro, às 20h30, para apresentar as can­ções de seu segundo álbum, ba­tizado “Fronteiras”.

Rodando o mundo em uma perua Volkswagen Kombi e mo­torhome há quatro anos, o Čao Laru reflete em seu novo álbum sobre as barreiras que nos sepa­ram. “Fronteiras”, além de abor­dar uma temática cada vez mais discutida no mundo, incorpora e atualiza a sonoridade da banda com referências latinas e tam­bém do leste europeu.

Musicalmente, o álbum re­vela a experimentação de novos territórios, tanto vocais quanto instrumentais, onde é possível encontrar referências do afoxé, samba, baião, valsa francesa, rit­mos do leste europeu, hip hop, milonga e aparelhos acústicos e elétricos. Assim, divisões imagi­nárias entre diferentes gêneros musicais se quebram para o sur­gimento de novas texturas.

Um muro de concreto se­parando os Estados Unidos do México; brasileiros reclamando da entrada de venezuelanos no país; o Brexit e a Europa que se fecha para a imigração. Esquer­da contra direita. Falsas notícias e a verdade. Vida digital e vida real. Quantas divisões existem entre nós e quantas ainda po­dem surgir? O Čao Laru reflete sobre as barreiras que nos se­param em seu segundo álbum, “Fronteiras”. O disco, com 13 faixas inéditas, também tem edição especial em vinil.

O Čao Laru (pronuncia-se Tchau Larru) é formado por músicos do Brasil e da França que se conheceram em 2015, durante o mestrado em Peda­gogia Musical, em Rennes, na França. Desde então, já passou por mais de 20 países e lançou um disco, “Kombiphonie”, além de um primeiro EP chamado “Čao Laru”, lançado em 2016.

Em 2018, a turnê deste álbum no Brasil rendeu no primeiro se­mestre 40 shows no Brasil e mais 50 na Argentina e no Chile, além de 60 apresentações na França e na Suíça no segundo semestre. É natural, portanto, que a par­tir deste contato com diferentes culturas e fronteiras o tema da diáspora moderna transborde nas letras do novo trabalho.

“É um disco que discuti­mos temas sociais e políticos dos países em que estivemos, e no qual estão impressas nos­sa solidariedade, resistência e esperança no ser humano, questionando o tempo inteiro o porquê das fronteiras”, con­ta Noubar Sarkissan, brasileiro com anos de vivência na Fran­ça e responsável pelo cavaqui­nho, violão, pandeiro e voz.

A banda é formada por Ni­colle Bello (voz), Manuel Tirso (bateria), Fábio Pádua (flauta, clarinete, violão e bandolim), Pedro Destro (baixo elétrico), Joel Rocha (rabeca, cavaquinho português, guitarra e pife) e Léa-Katharina Duez (voz, flau­ta e saxofone). Musicalmente, “Fronteiras” mostra o grupo ex­perimentando novos territórios. Foi gravado no segundo semes­tre de 2018 em Rennes (FRA), São Paulo e Campinas.

As referências brasileiras e francesas de “Kombiphonie” (chacareca, afoxé, samba, o baião e a valsa francesa) ga­nham a companhia de ritmos do leste europeu, hip hop e mi­longa. Estão ali polifonias vo­cais, combinação entre instru­mentos acústicos e elétricos e arranjos que quebram as divi­sões imaginárias entre gêneros musicais, mas novas texturas.

O show “Fronteiras” do Čao Laru será no Galpão de Eventos do Sesc, às 20h30 desta sexta­-feira (21). Para este espetáculo, o local terá capacidade para 400 pessoas em pé. Fica na unidade da rua Tibiriça nº 50, na região central de Ribeirão Preto – entre a avenida Doutor Francisco Jun­queira e a rua Visconde do Rio Branco. Mais informações pelo telefone (16) 3977-4477.

O evento não é recomenda­do para menores de 16 anos e e não será permitida a entrada após o início. Os ingressos estão à venda on-line (www.sescsp. org.br) e no Sesc Ribeirão Preto. Custam R$ 30 (inteira), R$ 15 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, portador de neces­sidades especiais, estudante e servidor da escola pública com comprovante) e R$ 9 (traba­lhador do comércio de bens, serviços e turismo credencia­dos no Sesc e dependentes – credencial plena).