JF Pimenta

Time de Roberto Cavalo joga na noite desta terça-feira, no Orlando Scarpelli

Após 19 anos, Botafogo e Figueirense voltam a se enfrentar em uma competição oficial. Nesta terça-feira (11), as equipes entram em campo pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. O jogo está marcado para 19h15, no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis. Será o último jogo dos oito da fase pré-Copa América.

O confronto irá reunir dois clubes que passaram por profundas alterações em seus respectivos modelos de gestão, e adotaram o sistema de Sociedade Anônima – S/A. O Figueirense foi o primeiro, em 2017, em agosto de 2017. Seis meses depois, o então presidente do Pantera, Gerson Engracia, anunciou, por meio do Tribuna, que o clube seria transformado em SA.

Um ano antes, o Figueirense havia caído da A para B, onde se encontra desde então, e terminou em 15º lugar em 2018. Já o Botafogo teve ascensão meteórica: saiu da Série C e subiu para a B, triunfo que antecipou os planos dos gestões em, no mínimo, quatro anos. Desde que foi criada, a AS planeja elevar o clube à Série A em um prazo de 10 anos. “Mas o acesso é bem-vindo a qualquer tempo e hora,” diz o presidente atual, Dmitri Abreu.

A diferença básica  entre os dois modelos é que, o Botafogo, detém 60% das ações da Sociedade Anônima, contra 40% do sócio-investidos, a Trexx Holding. Já o Figueirense detém apenas 5% dos direitos de sociedade, tem garantido o direito de eleger presidente e o Conselho Deliberativo.

Em campo

O último confronto entre Botafogo e Figueirense ocorreu em 16 de agosto de 2000, pela Copa João Havelange. Na oportunidade, os times empataram por 0 a 0, no estádio Santa Cruz.

Porém, o duelo entre os clubes que não sai da memória do torcedor botafoguense aconteceu há quase 23 anos. Com um time recheado de jogadores das categorias de base, o Tricolor venceu o adversário por 3 a 0, em jogo realizado no dia 24 de novembro de 1996, pela semifinal do Brasileiro da Série C.

O resultado era exatamente o que o Pantera precisava para conseguir o acesso para a Série B. No jogo de ida, a equipe havia perdido por 2 a 0.

Agora, o Botafogo defende uma invencibilidade de quatro jogos como visitante. São três vitórias e um empate. O time está na segunda colocação da Série B, com 16 pontos —mesma pontuação do líder Bragantino, que leva vantagem no saldo de gols. Já o Figueirense soma dez pontos

Para o capitão do Botafogo no Campeonato Brasileiro da Série B, o meio-campista Marlon Freitas a

parte física e a união do elenco podem ser apontados como trunfos da boa campanha do Tricolor na competição.

“A nossa parte física está muito boa e mostramos isso no final do jogo contra a Ponte Preta. Mostra que o grupo está muito comprometido”, afirmou o camisa sete, que foi titular em todos os jogos até agora do clube no torneio.

“Compramos a ideia e a filosofia do Cavalo e está dando certo. Estamos tentando manter o mesmo ritmo e estilo de jogo dentro e fora de casa. Conseguimos manter nosso estilo porque temos um elenco qualificado e o Cavalo tem o grupo na mão. A briga pela posição é muito sadia”, acrescentou.

Traçamos a meta de terminar entre os quatro primeiros colocados até a parada da Copa América e conseguimos. Agora, vamos buscar mais um bom resultado diante do Figueirense, que tem um time qualificado e que é muito forte jogando em casa”, concluiu o jogador.

Dúvidas

O treinador Roberto Cavalo encerrou a preparação para o duelo contra o Figueirense com um treino na manhã desta segunda-feira no estádio Santa Cruz.

Ele tem três dúvidas para a partida. Uma delas é na lateral esquerda entre Vinicius Freitas, titular no último jogo, e Pará, que cumpriu suspensão.

A outra é no meio de campo entre o volante Jonata Machado e o meia-atacante Nadson, que teve uma boa atuação durante o segundo tempo contra a Ponte Preta. E a última dúvida é no ataque entre Rafael Costa e Henan.

Provável escalação do Botafogo: Darley; Lucas, Luiz Otávio, Leandro Amaro e Pará; Jonata Machado, William Oliveira e Marlon Freitas; Júlio Cesar, Rafael Costa e Murilo.

Comentários