ALFREDO RISK/ARQUIVO TRIBUNA

Isaac Antunes (PR), presi­dente da Comissão de Cons­tiuição, Justiça e Redação (CCJ) da Câmara de Vereadores, pretende instaurar uma Co­missão Especial de Estudos (CEE) para analisar a implan­tação de corredores de ônibus do transporte coletivo urba­no nas avenidas Dom Pedro I, no Ipiranga, e da Saudade, nos Campos Elíseos, ambas na Zona Norte de Ribeirão Preto. Na ses­são de quinta-feira, 13 de junho, ele conseguiu aprovar o requeri­mento em plenário.

Em sua justificativa, o parla­mentar afirma que cabe ao Le­gislativo a função fiscalizadora dos atos do Executivo e que é preciso saber qual será o im­pacto dos corredores de ônibus nestes locais, tanto para o trânsi­to quanto para os comerciantes destas regiões. A comissão terá 120 dias para analisar o assunto, mas este prazo poderá ser pror­rogado pelo mesmo período.
Os corredores de ônibus fa­zem parte do Programa de Ace­leração do Crescimento – PAC da Mobilidade Urbana e Saneamen­to, um pacote de investimentos com recursos do governo federal que terá investimentos de R$ 310 milhões, com contrapartida da administração municipal no valor de R$ 33,4 milhões.

A licitação para implemen­tação de corredor de ônibus nas duas avenidas e na rua São Paulo já foram abertas e tem valor esti­mado de R$ 45.836.650,35. Tam­bém está incluída na licitação a construção de ciclovias na avenida Octavio Golfeto (na divisa dos jardins Procópio Ferraz, José Sam­paio Júnior e Alexandre Balbo) e Francisco Maggioni (Ipiranga) – trecho Leste e Oeste (26,2 qui­lômetros) e trecho Leste e Oeste (28,5 quilômetros).

Na semana passada, a As­sociação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto (Acirp) di­vulgou texto em que manifesta sua preocupação com possíveis impactos que as obras do PAC poderão acarretar nos negócios e na cidade. No texto, o presi­dente da entidade, Dorival Bal­bino, afirma que as intervenções causarão um grande impacto na organização do trânsito e na ma­neira como as pessoas se movi­mentam no espaço urbano.

Atualmente estão em fase de licitação 12 obras e dois projetos executivos do PAC da Mobilidade que totalizam R$ 141,7 milhões. O Tribuna apurou que empre­sários das avenidas Dom Pedro I e da Saudade devem se reunir com o prefeito Duarte Nogueira Júnior (PSDB) na próxima se­mana para conhecer o projeto e como elas vão impactar o co­mércio e a prestação de serviços nestas regiões. A reunião estaria sendo intermediada pela Acirp.

“Os negócios também serão impactados. Em alguns casos be­neficiando, e, em outros, trazen­do ameaças. Por isso, a Acirp está acompanhando de perto e dis­cutindo com os empresários, al­ternativas para que eles planejem melhor seus investimentos e iden­tifiquem oportunidades e ame­aças existentes”, afirma. Segundo Balbino, o principal impacto do Programa Ribeirão Mobilidade é a implantação dos corredores de ônibus estruturais em avenidas comerciais importantes da cidade como Dom Pedro I, da Saudade, Presidente Vargas, Independên­cia, Treze de Maio, Nove de Julho, do Café, entre outras.

Ele destaca ser necessário que a prefeitura de Ribeirão Preto atue para reduzir o impacto dessas mu­danças para os empresários que investiram nessas regiões. “No ano passado, já pedimos oficial­mente para a prefeitura que, antes do início das obras, se reúna com essas comunidades para dizer o que será feito e ouvir as reivindica­ções daqueles que serão afetados”, conclui Dorival Balbino. Comer­ciantes da avenida Dom Pedro I, por exemplo, estão preocupados porque o corredor de ônibus que vai da rotatória Amin Calil até a avenida Alceu Paiva Arantes, no Planalto Verde, vai acabar com va­gas de estacionamento.

A avenida é um problema antigo. Desde o início da década de 1990 a Empresa de Trânsito e Transporte Urbano (Transerp) estuda o que fazer na via, se trans­forma em mão única ou se acaba com as vagas de estacionamento. A realidade é que alguma medida precisa ser adotada, ainda mais com a conclusão das 6.991 casas do Residencial Via Nova Ribeirão. Em setembro de 2017, a compa­nhia criou 202 vagas de estaciona­mento rotativo na avenida, entre as ruas Pará e Japurá.

Comentários