Mais uma semana de ativi­dades online pelo site e redes sociais do Museu Casa de Por­tinari, em Brodowski. A pro­gramação conta com poemas, oficina cultural, intervenções e curiosidades do acervo. O fim de semana começa com muita diversão para as crianças. Nes­te sábado, 17 de julho, o Férias no Museu – Edição Virtual apresenta a “Oficina de Bola” com papel cartão, fácil de fa­zer e com materiais acessíveis. O tema futebol sempre esteve presente na obra de Portinari (1903-1962). Será às dez horas.

Além disso, o sábado con­tará, inclusive, com as Ofici­nas Andantes que, devido à pandemia, migraram para o ambiente virtual nas mídias sociais. Através dos stories do Instagram do Museu Casa de Portinari, às 17 horas, será possível acompanhar a ativida­de. A ação faz parte do Projeto Árvores, proposto pelo artista plástico Jonathas Levy Miguel, que propõe intervenções artís­ticas de arte urbana em diver­sos bairros de Brodowski.

Já o domingo (18) apre­sentará o Acervo em Segun­dos, com curiosidades sobre o museu e toda sua coleção. Essa edição mostrará a obra “Sagrado Coração de Jesus”, às dez horas. Na segunda-feira (19), às dez horas, terá a au­diodescrição da obra “Fute­bol”, produzida por Portinari em 1935, em homenagem ao Dia Nacional do Futebol.

Vale lembrar que o mu­seu está aberto para visitação presencial de terça-feira a domingo, das dez às 16 ho­ras. A medida acontece pela inserção do Estado na fase de transição do Plano São Pau­lo, que possibilita o retorno seguro e gradativo das ativi­dades presenciais, seguindo todos os protocolos de segu­rança sanitária para seus fun­cionários e visitantes.

Como forma de continu­ar a disseminar a cultura, as ações educativas da instituição e também o tour virtual per­manecem de forma on-line pelas mídias sociais e site (@ museucasadeportinari e www. museucasadeportinari.org.br). o museu fica na praça Candi­do Portinari nº 298, Centro de Brodowski. O telefone para in­formações é o (16) 3664-4284.

Candido Portinari
Filho de imigrantes italia­nos nascido em Brodowski, em 30 de dezembro de 1903, Candido Portinari mani­festou sua vocação artística desde criança. Ao longo de sua carreira, pintou mais de cinco mil obras, entre elas os painéis “Guerra e Paz”, ofere­cidos pelo governo brasileiro à sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, Estados Unidos.

Morreu em 6 de fevereiro de 1962, aos 58 anos, vítima de intoxicação pelas tintas que utilizava. Criou desde peque­nos esboços até grandes obras, murais e painéis. O artista foi o pintor brasileiro que conseguiu maior projeção internacional devido ao seu talento artístico e sua atuação no cenário cultu­ral e político do Brasil.

O museu
Antiga residência de Candido Portinari, em Bro­dowski, o Museu Casa de Portinari representa a forte ligação do artista com sua terra natal, origens e laços fa­miliares. É o local onde ele re­alizou suas experiências com pinturas murais e se aprofun­dou na técnica ao passar dos anos. Devido às várias obras em pintura mural nas pare­des da casa e em uma capela nos jardins da residência, a preservação do conjunto tor­nou-se imprescindível.

O primeiro passo ocorreu em 9 de dezembro de 1968, quando a casa foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacio­nal (Iphan). No ano seguinte, o imóvel foi desapropriado e adquirido pelo governo de São Paulo e, em 22 de janeiro de 1970, foi tombado pelo Con­selho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Ar­tístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat).

Com esforços da família do artista, do município e do Estado, o museu foi instalado e inaugurado em 14 de março de 1970. O acervo artístico do Museu Casa de Portinari cons­titui-se, principalmente, de trabalhos realizados pelo artis­ta em pintura mural, nas técni­cas de afresco e têmpera, nas paredes da casa. A temática é predominantemente sacra, ex­ceto as primeiras experiências do artista neste gênero.

O acervo também contempla uma coleção de desenhos, lingua­gem expressiva e significativa na produção de Candido Portinari, presente em todos os momentos de sua carreira. O museu ainda abriga objetos de uso pessoal, mobiliário e utensílios da família, sendo que alguns cômodos per­manecem com suas funções ori­ginais e outros foram adaptados para salas de exposições.

Capela da Nonna
Candido Portinari man­dou construir, em 1940, uma capela ao lado da casa da avó Pelegrina, que por conta da idade e problemas de saúde não conseguia se locomover até a igreja para orar. Nas pare­des estão os santos prediletos da avó, retratados pelo artista com a fisionomia de amigos e parentes. A obra terminou em 1941. A Capela da Nonna é um dos principais espaços do Museu Casa de Portinari.

No espaço estão São Fran­cisco de Assis, Santa Luzia, São Pedro, São João Batista, a Sagrada Família, entre outras figuras sacras admiradas pela família. As imagens dos san­tos têm as formas de parentes e amigos de Portinari, uma tradição presente na pintura do século XV retomada pelo pintor, principalmente entre artistas flamengos e italianos.