Casa de Portinari tem programação online

0
21
RUBENS GUERRA

Um dos objetivos da cul­tura é ultrapassar barreiras e multiplicar conhecimento de formas diversas. Por isso, o Museu Casa de Portina­ri, instituição da Secretaria de Estado da Cultura e Eco­nomia Criativa, gerida pela Acam Portinari, reforça suas ações extramuros e que estão disponíveis de forma onli­ne e gratuita para o público. O espaço está fechado para vistação por causa do esta­do de quarentena decretado pelo governador João Doria (PSDB) para evitar a propa­gação do coronavírus.

Dentre as atividades es­tão jogos educativos virtuais como da memória, quebra­-cabeça e caça-palavras com o tema da Capela da Nonna, local construído por Candido Portinari (1902-1962) para sua avó. Outra brincadeira é o Brinque de Desenhar, na qual o internauta pode pintar e descobrir mais sobre a arte e sua história, além de apre­ciar obras de pintores como Vincent Van Gogh (1853- 1890), Pierre-Auguste Renoir (1841-1919) e Claude Monet (1840-1926).

Outro recurso disponível é o de exposições virtuais, que disponibiliza mostras com fotos e vídeos sobre te­mas como o pôr do sol de Brodowski, obras da Galeria a Céu Aberto, Estação Bro­dowski: Patrimônio Histórico e muitos outros. Já o Poéticas da Memória apresenta depoi­mentos de pessoas que fize­ram parte do convívio da fa­mília Portinari e de seu mais ilustre membro, moradores de Brodowski que guardam memórias da formação da cidade, seus costumes, tradi­ções, problemas sociais, fau­na, flora, entre outros.

O principal destaque é a visita virtual pelo Museu Casa de Portinari. Por um tour 360°, o interessado ex­plora o ateliê do artista, a sala com os objetos utiliza­dos pela família, os quartos, a cozinha, o jardim, a capela e, também, aprecia os afrescos que permeiam as paredes de todo o equipamento.

“Essa programação é per­manente no site do Museu Casa de Portinari e vai ao encontro da campanha #Cul­turaemCasa promovida pela Secretaria de Cultura e Eco­nomia Criativa do Estado de São Paulo”, explica Cristiane Patrici, gerente do Museu Casa de Portinari.

Ela, ainda, ressalta que as redes sociais trazem mais ati­vidades: “nossos educadores elaboraram vídeos com ofi­cinas educativas e fáceis de serem reproduzidas em casa, tudo gratuitamente”. Para participar de todas as ações basta acessar o site www.mu­seucasadeportinari.org.br.

O museu
Antiga residência de Can­dido Portinari, em Brodowski, o Museu Casa de Portinari completou 50 anos em 14 de março. Atende na praça Can­dido Portinari nº 298, Centro. Informações pelo telefone (16) 3664-4284. Representa a for­te ligação do artista com sua terra natal, origens e laços fa­miliares. É o local onde ele re­alizou suas experiências com pinturas murais e se aprofun­dou na técnica ao passar dos anos. Devido às várias obras em pintura mural nas pare­des da casa e em uma capela nos jardins da residência, a preservação do conjunto tor­nou-se imprescindível.

O primeiro passo ocorreu em 9 de dezembro de 1968, quando a casa foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacio­nal (Iphan). No ano seguinte, o imóvel foi desapropriado e adquirido pelo governo de São Paulo e, em 22 de janeiro de 1970, foi tombado pelo Conse­lho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Ar­tístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat).

Com esforços da família do artista, do município e do Estado, o museu foi instalado e inaugurado em 14 de março de 1970. O complexo é cons­tituído por uma casa prin­cipal, e anexos construídos em sucessivas ampliações. A simplicidade típica do inte­rior é a maior característica do local.

O acervo artístico do Mu­seu Casa de Portinari cons­titui-se, principalmente, de trabalhos realizados pelo ar­tista em pintura mural, nas técnicas de afresco e têmpera, nas paredes da casa. A temá­tica é predominantemente sa­cra, exceto as primeiras experi­ências do artista neste gênero. O acervo também contempla uma coleção de desenhos, lin­guagem expressiva e significa­tiva na produção de Candido Portinari, presente em todos os momentos de sua carreira.

O museu ainda abriga ob­jetos de uso pessoal, mobili­ário e utensílios da família, sendo que alguns cômodos permanecem com suas fun­ções originais e outros foram adaptados para salas de expo­sições.

Capela da Nonna
Candido Portinari man­dou construir, em 1940, uma capela ao lado da casa da avó Pelegrina, que por conta da idade e problemas de saúde não conseguia se locomover até a igreja para orar. Nas pa­redes estão os santos prediletos da avó, retratados pelo artista com a fisionomia de amigos e parentes. A obra terminou em 1941. A Capela da Nonna é um dos principais espaços do Mu­seu Casa de Portinari

No cômodo estão São Francisco de Assis, Santa Lu­zia, São Pedro, São João Ba­tista, a Sagrada Família, entre outras figuras sacras admira­das pela família. As imagens dos santos têm as formas de parentes e amigos de Portina­ri, uma tradição presente na pintura do século XV reto­mada pelo pintor, principal­mente entre artistas flamen­gos e italianos.

Candido Portinari
Filho de imigrantes italia­nos nascido em Brodowski, em 30 de dezembro de 1903, Candido Portinari mani­festou sua vocação artística desde criança. Ao longo de sua carreira, pintou mais de cinco mil obras, entre elas os painéis “Guerra e Paz”, ofere­cidos pelo governo brasileiro à sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, Estados Unidos.

Morreu em 6 de fevereiro de 1962, aos 58 anos, vítima de intoxicação pelas tintas que utilizava. Criou desde pequenos esboços até gran­des obras, murais e painéis. O artista foi o pintor brasileiro que conseguiu maior pro­jeção internacional devido ao seu talento artístico e sua atuação no cenário cultural e político do Brasil.