O uso da bactéria Wolbachia no controle das arboviroses como dengue, zika e febre chikungunya começou na Austrália e já é adotado em 11 países

O Departamento de Vigi­lância em Saúde, órgão da Se­cretaria Municipal da Saúde, divulgou no último dia 2 de junho, o boletim epidemio­lógico da dengue que conta­bilizou 46 casos confirmados no mês de maio de 2021, em Ribeirão Preto.

No mesmo período do ano anterior, a cidade ha­via computado 806 casos da doença, resultando em uma redução de cerca de 94%. No entanto, quando com­parado com o mês de maio de 2019, a redução é ainda maior. Naquela época, o mu­nicípio havia registrado 4.833 casos de dengue. Nesse caso, a queda foi de aproximada­mente 99%.

Até o momento, na soma dos cinco primeiros meses de 2021, Ribeirão Preto con­ta com 255 casos de dengue, contra 17.343 entre os meses de janeiro a maio de 2020, queda de 98,5%.

De acordo com o secretá­rio da Saúde, Sandro Scarpe­lini, 80% dos casos estão nas casas das pessoas e, por isso, a conscientização da popula­ção é fundamental.

“Cada morador deve cui­dar do seu quintal, elimi­nando focos de água parada para que o mosquito não se desenvolva. Portanto, além das nossas atividades, preci­samos muito da participação da população, limpando sua própria residência”, comen­tou Scarpelini.

Quem também orientou sobre essa vistoria nas re­sidências foi a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Luzia Márcia Ro­manholi Passos. Para ela, a conscientização e ajuda da população são fundamentais para o controle da doença.

“Solicitamos aos morado­res da cidade que eliminem os criadouros do mosquito, limpando seus quintais se­manalmente e eliminando água parada, ambiente ideal para o Aedes crescer. Somen­te assim conseguiremos ven­cer essa batalha na cidade”, alertou a diretora.

Chikungunya, zika vírus, microcefalia, gripe H1N1 e sarampo
No caso da chikungunya, não houve nenhuma confir­mação da doença em maio de 2021. Quanto à micro­cefalia ou outras alterações neurológicas possivelmente relacionadas à infecção pelo zika vírus, também foi regis­trado um caso suspeito em maio deste ano, mas não confirmado.

Em relação à Síndrome Respiratória Aguda Grave (gripe causada pelo vírus In­fluenza), não foi confirmado nenhum caso e nenhum óbi­to no mês. Não há também nenhum caso de sarampo registrado. Para quem se interessar, o boletim epide­miológico está disponível e pode ser consultado no site da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto.