O Clube do Livro, coorde­nado por Gabriela Pedrão, vai discutir neste sábado, 21 de setembro, a obra “Ratos e ho­mens”, do norte-americano John Steinbeck (1902-1968). As inscrições podem ser fei­tas pelo telefone (16) 3911- 1050 ou através de e-mail no endereço [email protected]­dacaodolivroeleitura.com.br. O evento acontece das 16 às 18 horas, na sede da Funda­ção do Livro e Leitura de Ri­beirão Preto, na rua Professor Mariano Siqueira nº 81, no Jardim América, Zona Sul.

Publicado em 1937, o livro de John Steinbeck conta a his­tória de George e Lennie, dois trabalhadores rurais na Califór­nia durante a Grande Depressão (1929-1939). A história se passa em um rancho a alguns quilô­metros de Soledad, no Salinas Valley. Foi a primeira tentativa do autor de escrever um roman­ce para o teatro.

Estruturado em três atos de dois capítulos cada, tem padrão tanto de uma novela quanto de uma peça de tea­tro. A proposição do autor foi escrever um romance que pu­desse ser representado a par­tir do texto ou uma peça que pudesse ser lida como um romance. A novela recebeu elogios de muitos críticos da época, como Ralph Thomp­son, do New York Times, que descreveu a obra como um “pequeno grande livro, por todo o seu melodrama final”.

Por supostamente promo­ver a eutanásia, fazer insultos raciais, ser rotulado de atuar como antinegócios, conter palavras de baixo calão e em geral conter linguagem ofen­siva e vulgar, muitas proibi­ções e restrições foram rei­vindicadas, mas com o tempo tornou-se uma leitura obri­gatória em muitas escolas de ensino pré-universitário em diversos países de língua in­glesa. “Ratos e homens” apa­rece em quarto na lista dos mais desafiantes livros do século XXI, da American Li­brary Association.

Segundo a curadora do Clube do Livro, a bibliotecária Gabriela Pedrão, os livros fo­ram escolhidos para a agenda anual, de forma que os partici­pantes podem se programar e organizar a leitura com antece­dência.”Para que todos consi­gam participar e incluam a lei­tura em suas rotinas, optamos por livros não muito extensos”. A proposta é que o grupo pos­sa ler com tranquilidade no intervalo de um mês, sempre avaliando a obra em conjunto ao final do período.

Neste ano, já foram tema de debate as obras “Pedro Pá­ramo”, de Juan Rulfo (1917- 1986); “Perto do coração sel­vagem”, de Clarice Lispector (1920-1977); “Intermitências da morte”, de José Saramago (1922-2010); “O som e a fúria”, de William Faulkner (1897- 1962); “O deus das pequenas coisas”, de Arundhati Roy; “A Festa do Bode”, de Mario Var­gas Llosa; e “O avesso da vida”, do norte-americano Philip Roth (1933-2018).

Comentários