O preço do etanol voltou a subir nas unidades produtoras do estado de São Paulo. O deri­vado da cana-de-açúcar chegou a acumular alta de 20,62% entre os dias 1º e 18 de abril, em plena safra, e começou a recuar nova­mente há cerca de três semanas, segundo dados divulgados pelo Centro de Pesquisas Econômi­cas (Cepea) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) – vinculada à Universi­dade de São Paulo (USP).

Depois dos reajustes de 0,89%, 15,07% e 4,66% nas se­manas anteriores, o Cepea cons­tatou queda de 6,47% no preço do etanol hidratado entre 19 e 26 de abril. Depois, até 3 de maio, o litro do produto recuou mais 10,59%. No dia 10, nova retra­ção de 2,93%. Porém, no levan­tamento mais recente, realizado entre o dia 11 e esta sexta-feira, 17 de maio, subiu 4,41%, de R$ 1,6109 para R$ 1,6820 – acu­mulava queda de quase 20% (19,99%) até então. Antes do início da safra, até meados de março, já havia registrado alta superior a 21% em cerca de dois meses, mas depois acumulou queda de 13,1%.

O levantamento semanal também registrou leve alta de 0,23% no litro do anidro – adi­cionado à gasolina em 25% –, de R$ 1,9416 para R$ 1,9460. Antes, havia recuado 1,61% e 3,72% nas semanas anteriores e acumula queda de 7,91% em 21 dias. Nos 20 dias anteriores, a elevação chegou a 13,9%, com reajustes seguidos de 0,89%, 4,34% e 8,67%. No dia 30 de abril, a Petrobras elevou o preço do litro de gasolina nas refinarias em cerca de R$ 0,07, passando de R$ 1,975 para R$ 2,045. No dia 4 de maio, o diesel subiu 2,57%, de R$ 2,247 por litro para R$ 2,3047 nas unidades produ­toras, de acordo com a estatal.

O álcool está mais barato em Ribeirão Preto desde o início da semana passada. Vários dos mais de 150 postos bandeirados da cidade cobram R$ 2,90 (R$ 2,899) pelo litro do etanol, que­da de 6,4% em comparação aos R$ 3,10 (R$ 3,099) praticados anteriormente, desconto de R$ 0,20. Alguns franqueados ainda vendem o combustível por R$ 3 (R$ 2,999) e outros baixaram o preço para entre R$ 2,70 (R$ 2,697) e R$ 2,80 (R$ ,2797).

Nos sem-bandeira, o litro do etanol voltou à faixa dos R$ 2,58 (R$ 2,579), queda de 7,2% em comparação com a mé­dia da semana passada, de R$ 2,78 (R$ 2,779), abatimento de R$ 0,20. Em outros indepen­dentes, o derivado da cana-de -açúcar custa entre R$ 2,65 (R$ 2,649) e R$ 2,70 (R$ 2,699). Há locais que ainda praticam pre­ços mais elevados, por isso o consumidor deve pesquisar.

Gasolina
Nos postos bandeirados, o li­tro da gasolina custa, em média, R$ 4,40 (R$ 4,398), mas ainda há revendedores que cobram menos (R$ 4,30, ou R$ 4,299) e outros que praticam o preço de R$ 4,50 (R$ 4,499). Nos sem -bandeira, o derivado de petró­leo custa, em média, R$ 4,06 (R$ 4,059), mas há locais onde é ven­dido por R$ 4,10 (R$ 4,099) e até R$ 4,20 (R$ 4,199). O consumi­dor deve pesquisar.

Vários postos oferecem des­contos para quem pagar em di­nheiro. Nos postos franqueados de Ribeirão Preto, o litro do die­sel é vendido, em média, por R$ 3,80 (R$ 3,799) – outros vendem por R$ 3,50 (R$ 3,499). Nos in­dependentes “sai” por R$ 3,40 (R$ 3,399). Há locais que ainda vendem o combustível por R$ 3,60 (R$ 3,599).

O mais recente levantamen­to da Agência Nacional de Pe­tróleo, Gás Natural e Biocom­bustíveis (ANP), realizado entre os dias 5 e 11 de maio, em 108 ci­dades paulistas, constatou queda de 2,4% no litro do etanol ribei­rão-pretano, que baixou de R$ 2,908 para R$ 2,839, desconto de R$ 0,069. A pesquisa também registrou leve retração de 0,16% no preço da gasolina de Ribeirão Preto, que na semana anterior já havia recuado 1,37%.

Entre 5 e 11 de maio, bai­xou de R$ 4,314 para R$ 4,307, abatimento de R$ 0,007. O litro do diesel, que havia dispara­do 4,96% até 26 de abril, com aporte acima de R$ 0,15, agora é vendido, em média, por R$ 3,527, alta de quase 1% em re­lação aos R$ 3,493 da pesquisa anterior, acréscimo de R$ 0,034. Nesta sexta-feira, dia 17, o link no site da reguladora com o es­tudo estava fora do ar.

Considerando os valores médios da agência, de R$ 2,839 para o álcool e R$ 4,307 para o derivado de petróleo, ainda é mais vantajoso abastecer com etanol, já que a paridade está em 65,9% – deixa de ser vantagem encher o tanque com o deriva­do da cana-de-açúcar a relação chega a 70%. Com base nas mé­dias dos postos bandeirados e sem-bandeira da cidade, a pari­dade é semelhante, entre 65,9% e 63,5%, respectivamente.

Comentários