Fórum de Pirassununga - Foto: br.wordorgs.com

Promotoria de Pirassununga obtém condenação de homem que estuprou e engravidou enteada: ele ainda matou o filho recém-nascido que teve com a adolescente

A Promotoria de Justiça de Pirassununga obteve a condenação de um homem que engravidou a própria enteada menor de 14 anos, forneceu medicamento para que a jovem abortasse e matou e escondeu o feto, nascido com vida. No Plenário do Tribunal do Júri, o réu foi sentenciado à pena total de 58 anos de prisão.

Outro réu, que forneceu o medicamento abortivo, recebeu pena de onze anos e oito meses. Segundo o relatado pelo promotor de Justiça Luis Henrique Rodrigues de Almeida, o padrasto começou a manter relações sexuais com a enteada quando ela tinha 12 anos. Após saber da gravidez da garota, o homem procurou o segundo réu, comprando dele comprimidos de efeito abortivo pelo valor de R$ 800.

Após ingerir os medicamentos, a menina apresentou intenso sangramento, e acabou dando à luz a um bebê do sexo masculino sozinha no banheiro de casa. Para evitar que os estupros e a gestação da enteada fossem descobertos, o padrasto asfixiou o bebê e escondeu o corpo às margens de uma rodovia. Submetida posteriormente a cirurgia de urgência, a garota acabou perdendo o útero.