RUBENS CHIRI

O técnico são-paulino Cuca espera que o clássico de domingo com o Corinthians não tenha problema com o ônibus da equipe rival. Os dois times se enfrentam pela pri­meira partida da decisão do Campeonato Paulista, às 16 horas, no Morumbi, e existe um temor do lado alvinegro de que o veículo que vai levar os jogadores seja atingido na che­gada ao estádio.

“É um direito que o Co­rinthians tem. Ninguém quer ser apedrejado em lugar ne­nhum. Nós também não que­remos ir a outro estádio e ver isso acontecer. Cabe a nós ser bons anfitriões e não cometer erros como esse. Que não haja esse tipo de conduta. E aí cer­tamente no jogo de volta não haverá”, afirmou o treinador.

Ele lembrou que um epi­sódio como esse aconteceu na Argentina, no dia da decisão da Copa Libertadores entre Ri­ver Plate e Boca Juniors. O ôni­bus do Boca foi atingido, teve jogador que se machucou com os estilhaços de vidro da janela e a partida acabou suspensa. Depois, a Conmebol decidiu mandar o duelo para Madri, na Espanha, bem longe de Buenos Aires.

A polêmica se instalou com um ofício enviado pelo Corinthians ao São Paulo e à Federação Paulista de Futebol dizendo que, caso o ônibus seja atingido por pedras, o time alvinegro não entrará em campo. O presidente Andrés Sanchez reforçou o gesto e dis­se que não jogará mesmo com o risco de que seja decretado W.O. no jogo.

Nesta sexta-feira, o São Paulo realizou mais um treina­mento fechado e fará outro no sábado. Cuca evitou dar pistas sobre o time, mas garantiu que não fará grandes mudanças na equipe que vem atuando. Ele praticamente confirmou a au­sência do atacante Pablo, que está com dores na panturrilha e não fez um treino mais forte.

“Ainda não tenho a defi­nição do time, mas não tem muita mudança a fazer. Faltam 48 horas, pode ser que alguém se recupere. Infelizmente o Pablo não vai ter condição e o Hernanes está voltando agora. Vamos com o elenco que fez as partidas com o Palmeiras”, afirmou o treinador, sem con­firmar a escalação titular.

Comentários