Os trabalhos terão início pelo jardins Recreio, Itaú e Itaú Mirim, onde serão substituídos hidrômetros com mais de cinco anos

O Departamento de Água e Esgotos de Ribeirão Preto (Daerp) inicia nesta quarta-feira, 12 de junho, os trabalhos de substituição de cerca de 132 mil hidrômetros que estão com mais de cinco anos de uso ou estão quebrados, com vidros embaçados ou paralisados. O investimento total na compra e substituição dos aparelhos é de R$ 11,29 milhões. A previsão é que todos os equipamentos sejam trocados até dezembro deste ano.

A empresa vencedora da licitação e que executará os trabalhos de substituição é a MD Instalações Hidráulicas Ltda. Os trabalhos vão começar no Jardim Recreio, na Zona Oeste, seguido dos bairros Jardim Itaú e Itaú Mirim. Nesta segunda-feira (10), as equipes de leituristas do Daerp realizaram a panfletagem nos três bairros informando sobre a troca dos equipamentos e a importância deste trabalho.

Há cerca de 20 dias também teve início uma campanha publicitária para avisar da troca dos medidores. A substituição dos hidrômetros faz parte do Programa de Gestão, Controle e Redução de Perdas e do Daerp e que tem como meta a redução de 50% das perdas totais até 2021. Segundo o diretor técnico da autarquia, Lineu Andrade de Almeida, os aparelhos com mais de cinco anos perdem a capacidade de medição correta, por desgaste natural, e chegam a registrar mais de 20% a menos que o consumo real.

“Esta submedição gera perda, porque os usuários acabam estimulados a consumir mais do que realmente necessitam, o que aumenta a explotação (retirada) de água do Aquífero Guarani, em prejuízo ao meio ambiente e ao próprio Daerp, em função do maior consumo de energia”, esclarece. Almeida destaca ainda que há uma recomendação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro para que os hidrômetros sejam substituídos a cada cinco anos, uma vez que a partir desta idade eles vão diminuindo a sua condição de medição correta.

“Ribeirão Preto possui um parque de medidores antigos que precisa ser renovado. Existe um número muito alto de equipamentos com mais de cinco ou até dez anos de uso. O parque de hidrômetros está envelhecido”, destaca. Os funcionários da empresa que realizarão o trabalho de substituição estarão identificados. Em caso de dúvidas, os usuários podem solicitar a presença de um supervisor da empresa.

A substituição dos hidrômetros não tem custo extra de instalação para o usuário. Os novos equipamentos já são aferidos pelo Inmetro e caso necessário serão feitas novas aferições após quatro meses de efetivada a instalação, para que não ocorram dúvidas a respeito da correta medição do novo equipamento.

Por se tratar de um bem público (pertence ao Daerp) não cabe ao usuário a opção de não trocar o hidrômetro. Em caso de tentativa de obstrução de execução da troca, o responsável pode ser autuado e multado por infração prevista no regulamento do Daerp em seu artigo 10, inciso 25: “Impedir o Daerp ou terceiro por ele autorizado, realizar a troca de hidrômetro ou acesso às instalações hidrossanitárias do imóvel para realizar inspeções e vistorias”.

A infração é considerada média, punida com multa de 100 Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (Ufesps), o que equivale a R$ 2.653,00. O Daerp comunicará, por meio de panfletos e carros de som, os bairros onde será feita a substituição dos equipamentos. Em caso de ausência do usuário no imóvel, será deixada no local uma notificação para que o agendamento seja feito em até três dias após a primeira visita, para que a substituição seja realizada.

Comentários