Jornal Tribuna Ribeirão

De 5 a 11 anos – Pandemia teve 324 mortes de crianças

RICARDO MORAES/REUTERS

Com vacinação recente­mente aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitá­ria (Anvisa), as crianças entre 5 e 11 anos totalizaram 324 falecimentos por covid-19 des­de o início da pandemia. Este foi o número de óbitos para esta faixa etária registrado pe­los Cartórios de Registro Civil brasileiros no período de mar­ço de 2020 à primeira semana de janeiro de 2022.

O levantamento mostra ain­da que as crianças mais afeta­das pela doença foram aquelas de cinco anos, com 65 mortes registradas, seguidas pelas que tinham seis anos, com 47 regis­tros, pelas de sete e pelas de 11 anos, ambas com 46 falecimen­tos registrados. Crianças de 10 anos totalizaram 43 óbitos, as de nove, 40, e as de oito, 37 mortes.

Foram 162 falecimentos de crianças do sexo masculino e do sexo feminino. Os dados conta­bilizados fazem parte do Portal da Transparência do Registro Civil, base de dados que reúne as informações de nascimentos, casamentos e óbitos registrados pelos 7.663 cartórios brasileiros.

A plataforma é administrada pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Natu­rais (Arpen-Brasil). O balanço retrata ainda que esta faixa etária registrou 77 mortes em razão da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag), 30 por causas inde­terminadas e 57 por morte súbita.

O ano de 2021 foi aquele que registrou o maior número de óbitos cuja causa mortis consta como covid-19 (174), enquan­to que em 2020 foram 150. Na primeira semana de janeiro de 2022 não foram contabilizados óbitos por covid-19 de crianças entre 5 e 11 anos, embora os car­tórios tenham o prazo legal de até dez dias para enviar os dados ao Portal da Transparência do Registro Civil.

Entre os Estados brasileiros, São Paulo, estado mais populo­so do país respondeu percentu­almente por 22,8% dos óbitos de crianças nesta faixa etária, seguido por Bahia (9,3%), Cea­rá (6,8%), Minas Gerais (6,5%), Paraná (6,2%), Rio de Janeiro (5,9%) e Rio Grande do Sul (4%). Amapá, Mato Grosso e Tocantins foram as unidades que registraram o menor núme­ro de óbitos na faixa etária.

“Os números mostram que, embora reduzidos, os óbitos de crianças fazem parte deste triste momento que estamos vivendo, e que a vacinação é o melhor ca­minho para que vidas sejam sal­vas e para que a doença, propa­gada pelas novas variantes, seja menos fatal a quem já estiver imunizado”, destaca Gustavo Renato Fiscarelli, presidente da Arpen-Brasil.

Contabilizando-se todas as mortes por causas naturais no Brasil, a faixa etária entre 5 e 11 anos teve 5.562 óbitos, sendo 2.776 em 2020 e 2.766 em 2021 – com apenas 20 lançamentos de óbitos na primeira semana de janeiro de 2022. Dentre as causas mortis segmentadas pelo portal, septicemia foi a causa de 717 mortes, pneumonia (645), acidente vascular cerebral (467), insuficiência respirató­ria (452) e covid-19 (324). De­mais óbitos, que reúnem várias doenças não segmentadas, to­talizaram 2.597 mortes.

Mais notícias

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com