Detento faz palestra em evento de leitura

0
26
FOTO: MARCOS LIBÓRIO/SAP

Um preso que cumpre o regime semiaberto no Cen­tro de Progressão Penitenciá­ria (CPP) de Jardinópolis foi palestrante em um evento de incentivo à leitura. Além de atuar na biblioteca da uni­dade, Florindo Cassimiro Junior, de 37 anos, cursa o se­gundo semestre de Bibliote­conomia (ensino a distância, EAD) e compartilhou a sua experiência na área para um público de aproximadamente 70 pessoas. O encontro ocor­reu em 12 de março – quan­do se comemora o Dia do Bi­bliotecário –, no auditório da Biblioteca Sinhá Junqueira de Ribeirão Preto, em celebra­ção à data.

O convite ao reeducando partiu do coordenador-geral do estabelecimento cultural e ex-servidor do Centro de Progressão, Ciro Athayde Barros Monteiro. “É impor­tante que a comunidade ex­terna conheça um pouco do trabalho realizado pela Secre­taria da Administração Peni­tenciária (SAP) com relação à educação e processos de res­socialização que acontecem no interior do presídio”, des­taca Monteiro. Com o tema “Livro, Literatura e Biblioteca na Prisão”, o evento contou também com a participação de um ex-detento, que traba­lhou na Sala de Leitura quan­do cumpriu pena no CPP de Jardinópolis.

Para o reeducando Florin­do Cassimiro Junior, ministrar palestra com auditório lotado proporcionou a oportunidade de mostrar uma visão mais abrangente de como ocorre a prática de fomentação à leitu­ra e o processo de dissemina­ção da informação no sistema prisional. “Foi gratificante passar um pouco da minha experiência aos presentes. Senti uma emoção enorme quando alguns alunos vieram me parabenizar pela trans­formação que a educação fez na minha vida”, comemora.

Impacto positivo
O diretor da Biblioteca Si­nhá Junqueira destaca que a presença do preso no even­to causou impacto positivo no público. “Principalmente, quando ele contou que estava fazendo curso superior dentro da prisão, e que as atividades educacionais realizadas na unidade despertaram nele o amor pela leitura e a busca por outras formas de vida além do crime”, finaliza Monteiro.