Diretora revela que retorno à África é prioridade para a F-1 nos próximos anos

0
14
© REUTERS/Issei Kato/Direitos Reservados

A Fórmula 1 está de olho em novo/velho continente para suas corridas do Mundial. Nesta quinta-feira, a diretora global de promoção de corridas da categoria, Chloe Targett-Adams, que lida com os organizadores de eventos, disse que foi colocada como prioridade a adição de uma corrida na África, agora no topo da lista de desejos para novos eventos.

O inglês Lewis Hamilton, heptacampeão mundial, enfatizou que a África é para onde ele gostaria que o esporte fosse em breve. O ex-chefe da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, tentou por muitos anos encontrar uma maneira de retornar à África do Sul, que esteve pela última vez no Mundial na abertura do campeonato de 1993, no autódromo de Kyalami. E esse é o desejo sob a gestão da Liberty Media.

Embora a África do Sul continue sendo o local mais provável, também tem havido interesse de outros países, principalmente do Marrocos, que sediou uma corrida em 1958. “Eu concordo totalmente com Lewis, a África é um continente em que não corremos e isso é simplesmente errado”, disse Targett-Adams em um seminário online. “É um lugar que a gente quer muito, é a prioridade. Há alguns anos, conversamos com opções possíveis. E esperamos que, no final das contas, sejamos capazes de fazer uma corrida lá logo ou a médio prazo”.

Outra possibilidade que vem ganhando força nos últimos dias é a de se realizar uma segunda corrida nos Estados Unidos. Dono do autódromo de Indianápolis, Roger Penske revelou a intenção de estar preparado para receber uma prova de Fórmula 1, e o CEO da categoria, o italiano Stefano Domenicali, confirmou essa intenção.

“Ao lado da África, os Estados Unidos continuam sendo uma prioridade estratégica clara. Temos uma grande corrida em Austin (Texas) agora, onde estamos ansiosos para trabalhar com nosso promotor por mais alguns anos. Mas estamos olhando para uma segunda oportunidade de corrida, um local de destino, e procurando construir essa proposta de corrida dos Estados Unidos Igualmente na Ásia, não escondemos o fato de que essa também é uma prioridade-chave”, ratificou Targett-Adams.

A diretora insistiu que a Fórmula 1 não desistiu do GP do Vietnã A corrida inaugural de Hanói foi adiada no ano passado após a pandemia do novo coronavírus e foi deixada de fora do calendário de 2021 após um escândalo político local.

“O Vietnã é um local de corrida incrivelmente emocionante para a Fórmula 1. Divisão demográfica extremamente jovem no país, setor comercial vibrante, estamos muito, muito animados para correr lá E 2020 era para ter a primeira corrida, com um circuito incrível construído nos arredores de Hanói. E então, de forma totalmente compreensível, ninguém quer lançar uma primeira corrida no meio de uma pandemia. Estamos trabalhando em alguns problemas localizados com algumas mudanças no governo em andamento também, então decidimos e concordamos com nosso promotor, Vingroup, que 2021 simplesmente não era o momento certo para isso”, comentou Targett-Adams.