Enfermeiros do HC protestam no Centro

0
54
JF PIMENTA/ESPECIAL PARA O TRIBUNA

Um grupo de aproximada­mente 20 enfermeiros do Hos­pital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, ligada à Universidade de São Paulo (HCFMRP/USP), pro­testou na manhã desta quar­ta-feira, 8 de julho, à porta da Unidade de Emergência, na rua Bernardino de Campos, na região central da cidade.

Na linha de frente do com­bate ao coronavírus, os profis­sionais reivindicam reajuste salarial, mais equipamentos de proteção individual (EPIs) – máscaras, luvas etc. –, mais lei­tos de enfermarias e de Unida­de de Terapia Intensiva (UTI) e a contratação de profissionais que já foram aprovados em concurso emergencial.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde no Estado de São Pau­lo (SindSaúde-SP), trata-se de um “ato em defesa da vida e pela valorização dos profis­sionais de enfermagem”. Os enfermeiros do grupo “Enfer­magem é pra lutar!” estavam de máscara e jaleco branco e portavam bexigas pretas e car­tazes com as reivindicações.

O hospital não vai se ma­nifestar sobre o protesto. Uma portaria publicada pela pre­feitura de Ribeirão Preto, no Diário Oficial do Município de terça-feira (7) cede, por 60 dias, 20 profissionais da Secre­taria Municipal de Saúde para o Hospital das Clínicas. São 13 auxiliares de enfermagem, quatro enfermeiros e três téc­nicos em enfermagem.

A medida, de acordo com a portaria, vai viabilizar a aber­tura de dez novos leitos de UTI destinados para pacientes com covid-19 em estado grave. Nesta quarta-feira, as unidades Campus e de Emergência do Hospital das Clínicas tinham 63 leitos de terapia intensiva e 56 pessoas internadas. A taxa de ocupação era de 88,9%.

Segundo o superintendente do HC, Benedito Carlos Ma­ciel, o repasse de 20 funcioná­rios da Secretaria Municipal da Saúde vai permitir a aber­tura de mais oito leitos de terapia intensiva, o que deve ocorrer até esta sexta-fei­ra (10). Além disso, mais 18 leitos de UTI serão abertos, em um prazo de no máximo dez dias, com a contratação de mais médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem.

O Hospital das Clínicas já remanejou cerca de 50 mé­dicos para atendimento em UTIs. No final de março, o go­vernador João Doria (PSDB) assinou despacho autorizando a contratação de 378 profissio­nais para o Hospital das Clíni­cas – 52 para médicos, 47 de enfermeiros e 139 de técnicos de enfermagem, entre outros. Todas as vagas já foram preen­chidas.

No final de maio, o BTG Pactual, maior banco de in­vestimentos da América Lati­na, anunciou um projeto para subsidiar a contratação de 55 médicos e técnicos de enfer­magem para o HC que contou com o apoio da Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência (Faepa), mante­nedora do hospital. O valor doado por BTG Pactual, Co­san, São Martinho e Minerva Foods foi de R$ 1,2 milhão.

Em 24 de junho, durante reunião do Conselho Muni­cipalista, que envolve repre­sentantes de cidades-sede de 15 regiões administrativas de São Paulo, o prefeito Duarte Nogueira Júnior (PSDB) pediu mais atenção do Estado para com o HC em relação à admis­são de funcionários (recursos humanos) para ampliar o nú­mero de leitos de UTI usados no tratamento da covid-19.

“Gostaria de fazer um pedi­do especial em nome do DRS XIII de Ribeirão Preto (13º Departamento Regional de Saúde) para que obtivéssemos, do governo do Estado, em es­pecial da Secretaria da Saúde, um apoio mais contundente junto ao Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HC) para transferência de recursos à Faepa (Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência, mantenedora da instituição)”.