GOVERNO DE SÃO PAULO

O vice-governador Rodri­go Garcia (MDB) anunciou investimentos de R$ 303,5 mi­lhões para o ensino médio de São Paulo e a contratação de até dez mil professores para esta etapa. Os recursos serão repassados a 3,6 mil escolas estaduais do ensino médio por meio do Programa Dinheiro Direto na Escola.

Outra novidade é o acrés­cimo de um tempo a mais de aula por dia para os alunos da segunda série, a partir de 2022, e da terceira série, em 2023, do ensino médio do turno diur­no, completando oito tem­pos. Para as turmas das pri­meiras e segundas séries do período noturno, a previsão é de acréscimo de oito tempos de aula por semana.

“O investimento via PDDE é um grande acerto, porque des­burocratiza e facilita o acesso a recursos para instrumentalizar, de fato, a implementação do novo ensino médio no estado”, afirmou o vice-governador. “São mais de R$ 300 milhões para estruturar a rede, garantir que as escolas estejam preparadas para que nossos profissionais tenham mais sucesso neste es­forço coletivo de retomada das aulas presenciais.”

Os recursos serão destinados para que todas as escolas esta­duais do ensino médio possam ampliar e melhorar a infraestru­tura para as propostas de apren­dizagem. O investimento será dividido em quatro categorias: Novo Ensino Médio, Labora­tório de Ciências, Laboratório Maker e Mini Estúdios. Com o aumento estimado de 121 mil aulas, o potencial de cres­cimento é de 12% no total de professores com aulas atribuí­das na rede estadual.

“O Novo Ensino Médio significa autonomia no proces­so de aprendizagem e prepa­ração para o futuro. É auxílio para realização de sonhos e para o mercado de trabalho. Não adianta a escola sonhar em fazer as coisas e elas não terem condições para realizar”, diz o secretário de Educação, Rossieli Soares.

“É uma resposta aos proble­mas anteriores à pandemia, mas também é conectar os jovens com os desafios do mundo atu­al”, acrescenta Rossieli. O gover­no do Estado também confir­mou a criação do programa de Atividades Complementares de Arte, com aulas adequadas a di­ferentes quantidades de turmas e tempos extras com novos componentes curriculares.

Em Ribeirão Preto, são cerca de 48 mil alunos em 82 unidades da Secretaria de Estado da Educação. Na área que envolve três das 91 Diretorias Regionais de Ensi­no (DREs) – Ribeirão Preto, Sertãozinho e Jaboticabal –, no ano passado estavam ma­triculados 99.432 alunos de 165 escolas da rede estadual.

Cronologia
São Paulo foi o primeiro estado do Brasil a homolo­gar o novo currículo para o ensino médio. A medida foi aprovada no dia 29 de julho de 2020, em votação unâni­me do Conselho Estadual da Educação de São Paulo. O Novo Ensino Médio atende 460 mil estudantes da pri­meira série da rede pública estadual.

Eles são atendidos por meio dos três componentes ofertados pelo programa Inova Educação – Projeto de Vida, Eletivas e Tecno­logia e Inovação. O modelo promove o protagonismo es­tudantil, amplia a oferta de conhecimentos específicos e permite o aprofundamento em uma ou duas áreas, com melhor formação para o mer­cado de trabalho e ingresso no ensino superior.