Espetáculo ‘Rota’ será em 12 de agosto

0
24

O espetáculo “Rota”, lançado pela Companhia de Dança De­borah Colker em 1997, que es­tava inicialmente agendado para 24 de março, terça-feira, a partir das 21 horas, no Theatro Pedro II, em Ribeirão Preto, foi adiado por causa da pandemia de coro­navírus – o espaço cultural só vai reabrir em abril. Porém, já tem nova data: será em 12 de agosto, quarta-feira, às 20h30.

Os bailarinos utilizam as in­finitas possibilidades de explo­ração de caminhos pela dança contemporânea e a presença em cena do maior símbolo da in­venção humana: a roda. “Rota” é uma das coreografias que com­põem a premiada investigação de Deborah Colker sobre mo­vimento e espaço – que resul­tou em “Velox” (1995), “Rota” (1997),”Casa” (1999) e “4 por 4” (2002), todas com passagem por Ribeirão Preto.

Descreve seu giro e seu cur­so em torno dos grandes eixos de sustentação do trabalho da coreógrafa. São eles a utilização do gesto, síntese do movimento, como um poderoso elemento de expressão cênica; a apropria­ção de movimentos oriundos de outras práticas do corpo; e as reflexões sobre as forças que regem o movimento, gênese da dança. Incursiona também pelo balé clássico, passeia pelo jazz, e promove, em dois atos e seis movimentos, uma ocupação ra­dical do espaço cênico.

“Os conceitos de espaço, ge­ometria, peso e volume foram sublinhados e fomos buscar no­vas direções para explorá-los. Introduzir leveza, fluidez, ao estudo da física do movimen­to. Brincar com a seriedade”, explica a coreógrafa e diretora Deborah Colker. Brincar com a seriedade. O espetáculo abre com Wolfgang Amadeus Mo­zart (1756-1791). Os bailarinos adentram o palco impregnados da vitalidade, do humor, da se­xualidade, da irreverência e da personalidade deste gênio e sua música. “Rota” são linhas, cír­culos, mapas. Possibilidades de caminhos, descobrimentos.

A exploração de vários pla­nos e níveis, ocupação integral do espaço. São dois atos. O pri­meiro com quatro movimentos, nomeados como uma partitura musical: 1-Allegro, 2-Ostinato, 3-Vigoroso e 4-Presto. Nestes quatro movimentos foi utilizado o vocabulário do balé clássico, brincando com gestos do coti­diano e movimentos de chão; imprimindo força, leveza, hu­mor, velocidade, dinâmica.

Este ato abre inspirado nos adolescentes. Suas histórias, trapalhadas, graça e beleza. Sua garra e seu desejo pelo mundo. E fecha com um barco inspira­do nos desenhos animados e na alegria contagiante do “Incrível Exército de Brancaleone” – fil­me de Mario Monicelli (1915- 2010). O segundo ato é dividido em dois movimentos: 1-Gravi­dade e 2- Roda.

Gravidade surgiu da atmos­fera que envolve os astronau­tas, do deslocamento dentro de uma nave, da ausência de gra­vidade. As várias possibilidades de caminhar em suspensão. Uma nova densidade, um novo estado. A criação, coreografia e direção são de Deborah Colker, com direção executiva de João Elias, direção de arte e ceno­grafia de Gringo Cardia, dire­ção musical de Berna Ceppas e figurinos de Yamê Reis.

A última vez que a Cia. De­borah Colker esteve em Ribei­rão Preto foi em 12 de junho de 2018, Dia dos Namorados, com o espetáculo “Cão sem plumas”, baseado no poema homônimo de João Cabral de Melo Neto (1920-1999) e que estreou em junho de 2017, em Recife (PE). A coreografia ren­deu a Deborah Colker o prê­mio “Prix Benois de la Danse”, considerado o Oscar da dan­ça. A cerimônia de premiação ocorreu no Teatro Bolshoi, na Rússia, no dia 5 daquele mês.

Os ingressos para o espetá­culo “Rota” ainda não estão à venda online, mas serão dispo­niblizados no site Ingresso Rá­pido (www.ingressorapido.com. br) em breve, além da bilheteria do Theatro Pedro II, na rua Ál­vares Cabral nº 370, no Quartei­rão Paulista, no Centro Históri­co de Ribeirão Preto. Custam R$ 140 (plateia A), R$ 120 (plateia B e frisa), R$ 100 (balcão nobre) e R$ 50 (balcão simples). Pessoas com deficiência devem comprar diretamente no guichê do teatro.

O espaço cultural tem ca­pacidade para acomodar 1.588 pessoas, mas parte foi interdita­da por segurança. Atualmente conta com 1,3 mil lugares. Te­lefone para mais informações: (16) 3977-8111. Não será per­mitida a entrada após o início do espetáculo. Quem chegar atrasa­do também não poderá trocar o ingresso e não haverá devolução de dinheiro. A Fundação Pedro II também proíbe o consumo de comidas e bebidas no local.

A meia-entrada para estu­dantes, coordenadores pedagó­gicos, supervisores e diretores e professores de escolas públicas da rede municipal e da esta­dual (mediante apresentação de documento comprobatório como carteirinha da institui­ção, boleto de mensalidade ou holerite), aposentados (com documento específico), idosos acima de 60 anos (com cédula de identidade, o RG) e pessoa com deficiência com acompa­nhante custa R$ 70, R$ 60, R$ 50 e R$ 25, respectivamente. O espetáculo não é recomendado para menores de 12 anos por causa do horário.