Jornal Tribuna Ribeirão

Estado anuncia R$ 1 bi para universidades

ALFREDO RISK

O governador João Doria (PSDB) anunciou, nesta quar­ta-feira, 20 de outubro, o repas­se de R$ 1 bilhão para universi­dades paulistas, que, de acordo com ele, será “o maior orça­mento para ciência e tecnologia da história de São Paulo”.

O anúncio do investimento veio anexado a uma série de críticas ao governo Jair Bolso­naro, que diminuiu em 87% uma proposta de aumento de verbas para o setor de ciência e tecnologia neste ano – a queda foi de R$ 690 milhões para R$ 89,8 milhões.

Doria declarou que o repasse é destinado a investimentos em infraestrutura física e tecnológica das universidades públicas pau­listas, entre elas a Universidade de São Paulo (USP), Univer­sidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade Es­tadual Paulista (Unesp).

Ao anunciar o investimento, Doria não deixou de provocar o Executivo federal. “Em um mo­mento triste do Brasil, em que o obscurantismo custou milhares de vidas que se foram com a co­vid-19, o Estado de São Paulo re­afirma sua confiança, sua crença na ciência, com um investimento tão expressivo”, afirmou no Palá­cio dos Bandeirantes.

“O governo vai na direção oposta do governo federal”, disse. “Enquanto o governo federal cor­ta recursos da ciência, inovação, pesquisa e tecnologia, São Paulo amplia os investimentos em pes­quisa, e o investimento em pes­quisa e tecnologia”.

De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Econômi­co, o reajuste no orçamento de 2022 será dividido da seguinte forma: a USP terá aumento de 24%, recebendo R$ 7,6 bilhões; a Unesp receberá R$ 3,8 bilhões, um acréscimo de 22% em relação a 2021; a Unicamp ficará com 17% a mais, totalizando R$ 3,7 bi­lhões; e a Fapesp ganhará reajuste de 15% sobre o atual orçamento, recebendo R$ 1,85 bilhão.

O orçamento de 2022 inte­gra um plano de investimentos elaborado pelas universidades e para melhoria de infraestrutura, modernização de redes, compra de materiais, apoio à permanên­cia estudantil e monitoramento da saúde física e mental das co­munidades acadêmicas.

Já em relação ao orçamento deste ano, o crédito suplemen­tar de R$ 1 bilhão será dividido conforme os critérios determi­nados na distribuição de 9,57% do ICMS. A divisão prevê R$ 525,6 milhões para a USP, R$ 245 milhões para a Unesp e R$ 229,4 milhões para a Unicamp.

Corujão
Na área de saúde, Doria anunciou uma nova etapa do Corujão da Saúde. Segundo ele, serão oferecidos 51 mil pro­cedimentos oftalmológicos, en­tre consultas, exames e cirur­gias à população. Nesta etapa, serão oferecidos à população paulista cerca de 51 mil pro­cedimentos entre consultas, exames e cirurgias.

O investimento é de R$ 14 milhões. O objetivo do gover­no é zerar a fila de oftalmologia de 46 Ambulatórios Médicos de Especialidades (AMEs) e dez hospitais estaduais que fo­ram cadastrados pelos municí­pios na Central de Regulação e Oferta de Serviços de Saúde (Cross) até 20 de setembro.

Segundo o governo, serão oferecidos 23.112 exames de dez tipos diferentes, 16.077 ci­rurgias de catarata e retina e 11.794 consultas médicas em todas as regiões do Estado. O programa foi criado na capital paulista quando Doria era pre­feito, em 2017, para zerar a fila de exames e cirurgias eletivas que foram adiadas por causa da pandemia do coronavírus

A iniciativa foi retomada em 1º de outubro e, segundo a gestão estadual, vai prosseguir em todos os meses com aten­dimento à população, em espe­cial a mais vulnerável. Além da nova etapa do programa, Doria afirmou que o Estado paulista fará a contratação de mil novos profissionais da saúde.

São médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem. Segundo o chefe do Executivo estadual, o objetivo é reforçar as equipes dos hospitais pú­blicos estaduais para atender o aumento de demanda dos serviços de saúde que esta­vam represados pela pande­mia da covid-19.

Deixe o seu comentário:

Mais notícias

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com