Ex-preparador físico do Vôlei Ribeirão acerta com clube francês

0
40
FOTOS: DIVULGAÇÃO

O esporte sempre foi um grande exportador de atle­tas. Mas, de alguns anos para cá, os profissionais envolvi­dos com o meio esportivo também estão sendo levados para trabalhar no exterior.

Preparadores, profissio­nais de educação física, técni­cos, auxiliares e tantos outros da área estão tendo oportuni­dade de trabalhar em equipes de ponta em diversas modali­dades ao redor do planeta.

Muller trabalhou na seleção ao lado de nomes importantes do vôlei brasileiro

Este é o caso de Lucas Muller, ex-preparador físico do Vôlei Ribeirão. Aos 32 anos, o profissional vai estre­ar em sua carreira interna­cional. Muller foi contratado pelo Tourcouing, equipe que disputa a elite do voleibol na França.

Muller vai reencontrar no país europeu um velho co­nhecido, o técnico Mauricio Paes, com quem trabalhou das divisões de base da se­leção brasileira. O treinador assumiu a equipe francesa nesta temporada.

“Recebi esse convite para ir à França do Mauricio Paes, que foi um treinador com quem eu trabalhei na seleção brasileira sub-23, nos fomos campeões sul-americanos juntos. Ele me fez esse con­vite para ir trabalhar com ele novamente nesta tempora­da”, afirmou.

Parceria com Marcos Pacheco foi reeditada em Ribeirão Preto

Lucas tem experiência internacional trabalhando com a Seleção Brasileira, in­clusive auxiliando a equipe adulta, mas será seu primei­ro trabalho em clubes do ex­terior. Na comissão técnica do Brasil faturou o bicampe­onato sul-americano sub-21 (2014 e 2018) e sub-23 (2014 e 2016), o título pan-ameri­cano sub-21 (2015), além de chegar entre os quatro pri­meiros do mundo com as se­leções sub-21 e sub-23 (2015 e 2017, respectivamente). Ano passado, também no sub-21, participou da con­quista do bronze no mundial disputado no Bahrein.

Vôlei Ribeirão
Além da bagagem interna­cional com a seleção, Muller tem papel importante na his­tória do Vôlei Ribeirão. Con­tratado ainda na formatação do projeto, o preparador faz parte da recente, mas vitorio­sa trajetória do Cavalo Ace.

“O Lipe estava montando o projeto de Ribeirão e me convidou. O treinador seria o Pacheco, com quem eu já ha­via trabalhado anteriormente, e isso facilitou todo o proces­so. Eu digo que nós coloca­mos a pedra fundamental do vôlei masculino em Ribeirão, porquê iniciamos o projeto do zero e fizemos uma cam­panha bem bonita no primei­ro ano. Fomos campeões da Superliga B e C e colocamos o time na elite do voleibol na­cional”, disse.

Lucas Muller foi campeão da Superliga B com o Vôlei Ribeirão

Com seu título de eleitor registrado na cidade, Muller garante que gostaria de um dia voltar a trabalhar em Ri­beirão Preto, cidade que, se­gundo ele, tem um lugar espe­cial reservado em seu coração.

“Só tenho boas recorda­ções de Ribeirão, é uma cidade que eu gosto muito. Com toda certeza voltaria para trabalhar, morar. Foi um projeto que se iniciou do zero e atingiu o ápi­ce chegando numa primeira divisão. Essa trajetória é mui­to legal de se participar. Não segui no projeto por questões profissionais. Mesmo de lon­ge, sempre torci pelo projeto. Sou um pouco ribeirão-preta­no, meu título de eleitor é de Ribeirão”, destacou.

Lucas Muller embarca para a França no dia 2 de agosto e os trabalhos de pré-tem­porada começam no dia 10. Na bagagem para a Europa, Muller leva um currículo com passagens por Unisul, Cimed, Montes Claros, Vôlei Ribeirão Preto e Vôlei Renata.

Comentários