ALFREDO RISK

A prefeitura de Ribeirão Pre­to vai desapropriar três imóveis localizados nos cruzamentos das avenidas Antonio Diederichsen e Presidente Vargas, no Jardim América, na Zona Sul da cidade. As desapropriações fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento II – PAC da Mobi­lidade Urbana. A administração pretende adequar as vias por meio de alargamento e interven­ções no subleito e no pavimento, com drenagens, sinalização e projeto de urbanismo.

Segundo o decreto publica­do no Diário Oficial do Municí­pio (DOM) de sexta-feira, 8 de fevereiro, serão desapropriados três áreas na região, entre elas, um prédio para posto de abas­tecimento e serviços, na Pre­sidente Vargas nº 815, e outro com frente para o número 791 da avenida. O valor é estimado em aproximadamente R$ 3,33 milhões. Já as obras viárias estão orçadas em R$ 1,15 milhão.

A prefeitura de Ribeirão Pre­to já havia publicado, em janeiro, decreto que declara de utilidade pública 58 áreas no entorno dos cruzamentos das avenidas Brasil e Mogiana, na Zona Norte da cida­de. A publicação prevê a desapro­priação amigável ou judicial des­tes locais para a construção de um viaduto com recursos do PAC da Mobilidade, um pacote de obras que terá investimento de R$ 310 milhões. Para viabilizar a parceria com o governo federal, a adminis­tração municipal conseguiu em­préstimo de R$ 33,4 milhões com o Banco do Brasil.

O viaduto no cruzamento das avenidas Brasil e Thomaz Alberto Whateli será licitado em março e a obra está orçada em R$ 16,37 mi­lhões. A licitação do A melhoria no tráfego de veículos da região é uma reivindicação antiga dos moradores da Zona Norte. Isso porque a avenida Brasil é umas das principais vias de acesso para bairros como Quintino Facci I e II, Avelino Alves Palma e Jardim Salgado Filho I.

Já a Thomaz Alberto Whately é a principal via de acesso para os bairros do Complexo Ribeirão Verde e ao Aeroporto Estadu­al Doutor Leite Leite Lopes. De acordo com os projetos das obras de mobilidade urbana, serão exe­cutados 56 quilômetros de corre­dores estruturais do transporte co­letivo. Estão previstas a construção de um viaduto na avenida Jerôni­mo Gonçalves e outro na avenida Maria Jesus de Condeixa, além de passarela entre o Terminal Rodo­viário e o Mercado Municipal. O PAC II também contemplará a construção de dois túneis: um na avenida Antônio Diederichsen com Presidente Vargas e o segun­do na avenida Presidente Vargas com Nove de Julho.

Obras de interseção em des­nível serão executadas entre as avenidas Independência com Professor João Fiúsa e Presidente Vargas com João Fiúsa. Adequa­ções viárias serão executadas na rotatória das avenidas Portugal, Antônio Diederichsen e Nove de Julho. As avenidas Independên­cia, entre o córrego Nova Alian­ça, e Lygia Latuf Salomão, serão duplicadas e será implantada uma via de fundo de vale na ave­nida Coronel Fernando Ferreira Leite. Ribeirão Preto também ganhará mais três terminais de ônibus, um no Centro, outro na região Norte e mais no Novo Shopping, na Zona Leste.

No ano passado, em menos de um mês, a prefeitura de Ribeirão Preto conseguiu aprovar, na Câ­mara de Vereadores, dois projetos de lei que autorizam o governo a assinar contratos de financia­mentos com a Caixa Econômica Federal (CEF) para obras de in­fraestrutura na cidade. O primei­ro, no valor de R$ 50 milhões, foi aprovado em 22 de novembro, e o segundo, de R$ 70 milhões, rece­beu aval dos parlamentares em 18 de dezembro. No total, os emprés­timos totalizam R$ 120 milhões. Os recursos são do programa de Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento (Finisa), voltado para os setores público e privado.

Comentários