O governo de São Paulo ini­cia nesta segunda-feira, 12 de abril, a campanha de vacinação contra gripe, que em 2021 visa atingir uma cobertura míni­ma de 90% no público de 18,5 milhões de pessoas no estado. Mais de quatro mil postos de vacinação fixos e volantes no Sistema Único de Saúde (SUS) SUS estadual estarão prepara­dos para aplicar as doses nos grupos prioritários e conduzir, simultaneamente, a campanha contra covid-19 que também está em curso.

Em Ribeirão Preto são 36 Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) com salas de vacina­ção. A Secretaria Municipal de Saúde deve divulgar ainda nesta sexta-feira (9) qual o es­quema para atender o públi­co-alvo na cidade. Em nota, a pasta informa que está orga­nizando a campanha. Neste ano, segundo o Boletim Epi­demiológico divulgado em 1º de abril, nenhum caso de influenza A não subtipado, influenza B, H1N1 e H3N2 havia sido diagnosticado no município até 31 de março.

No ano passado foram doze casos e quatro óbitos, contra 62 ocorrências e 13 mortes em 2019. No período anterior (2018), Ribeirão Preto regis­trou 104 infecções e 23 víti­mas fatais. Em todo o Brasil, a meta do Ministério da Saú­de é imunizar, até 9 de julho, 79,7 milhões de pessoas que fazem parte dos grupos prio­ritários durante a Campanha Nacional de Vacinação con­tra a Influenza.

Segundo a Saúde estadual, é fundamental que quem foi ou for vacinado contra o co­ronavírus priorize este imuni­zante e respeite o intervalo mí­nimo de 14 dias para depois se vacinar contra o vírus influen­za, causador da gripe (confira orientações complementares).

O cronograma da campa­nha é composto por três eta­pas que se estenderão até 9 de julho. A primeira começa na próxima semana e é destina­da aos trabalhadores da saúde, indígenas, gestantes, puérperas (mulheres com até 45 dias após o parto) e crianças com idade a partir de 6 meses até cinco anos completos. Este grupo totaliza 5,5 milhões de pessoas que poderão ser vacinadas até o dia 10 de maio.

A partir do dia 11 de maio será a vez dos idosos (pessoas com 60 anos ou mais) e dos professores das redes pública e privada, que somam mais 7,8 milhões de pessoas. Já a terceira etapa começa em 9 de junho, alcançando 5,1 milhões pessoas com comorbidades e com deficiência (física, auditi­va, visual, intelectual e mental ou múltipla).

Também estão na lista ca­minhoneiros, trabalhadores portuários e de transporte coletivo, profissionais das for­ças armadas, de segurança e salvamento e funcionários do sistema prisional, população privada de liberdade e jovens e adolescentes sob medidas so­cioeducativas. Seguindo a le­gislação, deverão ser prioriza­dos nas salas vacinais os idosos com mais de 80 anos e haverá triagem diferenciada e orien­tações para quem apresentar sintomas respiratórios.

“ Instituto Butantan dispo­nibiliza ao Brasil 80 milhões de doses da para a campanha na­cional, com produção integral do imunizante e sem necessi­dade de importação de matéria­-prima. O imunizante deste ano é constituído por três cepas de influenza: A/Victoria/2570/2018 (H1N1)pdm09; A/Hong Kong/2671/2019 (H3N2); e B/ Washington/02/2019 (linha­gem B/Victoria).

Em 2020, o Estado de São Paulo registrou 809 casos de Síndrome Respiratória Agu­da Grave (Sragt) atribuíveis ao vírus Influenza e 119 óbi­tos. As salas de vacinação deverão manter organização do ambiente e evitar aglome­rações, com distanciamento entre mesas e profissionais e pacientes, além da disponibi­lização de álcool para higie­nização das mãos.

A aplicação da vacina con­tra a gripe deve ocorrer em sala distinta da reservada para imunização contra covid-19. Os profissionais estão orienta­dos a fazer triagem com identi­ficação de paciente com sinto­mas respiratórios, como tosse, coriza e falta de ar.

Os que apresentarem ape­nas tosse ou coriza poderão re­ceber a vacina, com a orienta­ção para procurar um serviço de saúde. A mesma recomen­dação será dada aos que apre­sentarem febre ou mau estado geral, e neste caso a aplicação da vacina precisará ser repro­gramada até a recuperação do quadro clínico.