Jornal Tribuna Ribeirão
Cultura

Grupo faz show do álbum ‘Terra’

O Teatro Santarosa rece­be neste sábado, 28 de abril, às 20h30, o show “Terra”, com o grupo ribeirão-pretano Pó de Café, formado pelos músicos Bruno Barbosa (contrabaixo), Rubinho Antunes (trompete), Duda Lazarini (bateria), Murilo Barbosa (piano) e Marcelo To­ledo (saxofone). O espetáculo é uma criativa viagem às raízes da música caipira pela via do jazz contemporâneo.

O show leva o nome do ál­bum em que o grupo apresenta releituras de canções sertanejas, como “Rio de Lágrimas”, “Tris­teza do Jeca” e “Rei do Gado”, e composições próprias e inédi­tas inspiradas nas melodias do campo e no universo da música caipira do interior paulista. Mais informações pelos telefones (16) 3916-1350 e 3916-2317. O Teatro Santarosa fica na praça Rotary Club nº 325, bairro City Ribeirão, na Zona Sul.

Os ingressos custam R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada ou antecipado). Acesso livre para o público de todas as idades. O projeto de fazer um disco de “jazz caipira” nasceu após um ensaio em que o trompetista Rubinho Antunes apresentou ao grupo uma versão despre­tensiosa da tradicional “Rio de Lágrimas” – conhecida como “Rio de Piracidaba”, dos com­positores Piraci, Tião Carreiro e Lourival dos Santos.

Foi uma mistura de estra­nheza e emoção, que indicou a rota para o disco, apesar de ser incomum ouvir temas da mú­sica caipira usados como base para improvisação jazzística. O ponto de partida para criar as versões foi o de explorar a força melódica dessa música de raiz dentro do universo livre e criati­vo da improvisação.

É possível notar influen­cias das harmonias de Toninho Horta e também do free jazz de Ornette Coleman misturadas ao cateretê, à toada e ao pagode cai­pira. Mas “Terra” também cria seu próprio universo sonoro ao apoiar-se em quatro composi­ções inéditas criadas especial­mente para a gravação.

O CD conta com cinco re­leituras e quatro composições inéditas inspiradas nas me­lodias do campo. Abre com o hino “Rei do gado”, de Teddy Vieira, em versão que ecoa o canto de Tião Carreiro e Par­dinho, transformando o cau­so sertanejo em uma espécie mantra de boas-vindas.

No decorrer do álbum, sur­gem também a já citada “Rio de Lágrimas”, de Piraci, Tião Carreiro e Lourival dos San­tos, e clássicos como “Tristeza de Jeca”, de Angelino Oliveira e uma surpreendente “O meni­no da porteira”, de Teddy Vieira e Luiz Raimundo. Essa última tocada apenas com o baixo de Bruno Barbosa.

O material inédito compos­to especialmente para o projeto completa o disco. São a faixa­-título “Terra”, de Rubinho An­tunes, “Moda Menor”, de Murilo Barbosa, “Adeus, chapéu de pa­lha”, de Bruno Barbosa e “Caipira Coffee”, de Ricardo Matsuda.

Mais notícias

‘Transgredir’ é o tema de contação de história

Redação 1

Sinfônica executa obras de Piazzolla

Redação 1

Último Pouso: TV Cultura estreia série original sobre história da aviação brasileira

Redação 1

Heinz Mack faz do ouro um manifesto

Redação 1

Sabrina Sato vai apresentar novo game show na Record

Redação 1

Festival Varilux será presencial

Redação 1
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com