FOTOS: ILHADOSARVOREDOS.COM.BR

Com 27 faixas de areia e uma orla muito bem estrutu­rada para o lazer, o Guarujá, litoral paulista, é essencial­mente conhecido por sua vibe praiana. Mas, nos pró­ximos meses, a cidade ga­nhará um atrativo que mos­trará que ela também pode ser reconhecida pela ótica da ecologia e sustentabilidade. É que a Ilha dos Arvoredos, um rochedo localizado a pouco mais de um quilômetro da Praia de Pernambuco, será aberta ao público como um pequeno paraíso de conheci­mento, ecoturismo e educa­ção ambiental, além de beleza natural, claro.

Palco para estudos de oce­anografia, biologia marinha, meio ambiente e energias so­lar e eólica, a ilha abriga diver­sas construções e engenhocas sustentáveis, como uma ade­ga escavada nas rochas que, dotada de ventiladores ins­talados do lado de fora para captar os ventos sul e leste (os únicos frios no Brasil), garan­tem uma boa temperatura às garrafas de vinho.

Até a maneira de acessar o rochedo é diferente: o visitan­te entra numa gaiola, erguida por um guindaste, e assim de­sembarca na ilha. Tudo fruto da imaginação do engenheiro Fernando Eduardo Lee (1909- 1994), que recebeu a conces­são do local nos anos de 1950 por parte da Marinha do Bra­sil, e, anos mais tarde, criou ali uma fundação sem fins lucra­tivos para promover pesquisas científicas e preservar a natu­reza local.

Por conta da pandemia, a data da abertura ao públi­co ainda não foi definida, mas o Instituto Nova Maré, que cuida da formatação do projeto, informou que serão oferecidos diferentes tipos de visitação, incluindo passeios noturnos e escolares. Outros detalhes estão no site www. ilhadosarvoredos.com.br e no perfil do Instagram @ilhado­sarvoredosoficial.