JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Am­plo (IPCA), que mede a in­flação oficial do país, ficou em 0,31% em abril deste ano. A taxa é superior à re­gistrada no mesmo período de 2020, quando houve de­flação de -0,31%, mas é in­ferior à observada em mar­ço deste ano (0,93%).

Segundo os dados divul­gados nesta terça-feira, 11 de maio, pelo Instituto Brasilei­ro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação acumula ta­xas de 2,37% no ano e de 6,76% em doze meses, acima da acu­mulada até março (6,10%) e do teto da meta de inflação esta­belecida pelo Banco Central para 2021, de 5,25%.

A inflação acumulada em doze meses também atin­giu o maior patamar desde novembro de 2016, quando estava em 6,99%. Oito dos nove grupos de despesa pes­quisados pelo IBGE tiveram alta de preços em abril, com destaque para saúde e cuida­dos pessoais, que registrou inflação de 1,19%.

Entre os responsáveis por esse resultado estão itens como produtos farmacêuticos (2,69%) e de higiene pessoal (0,99%). Outro grupo com alta relevante no mês foi ali­mentação e bebidas (0,40%), devido ao comportamento de preços de itens como car­nes (1,01%), leite longa vida (2,40%), frango em pedaços (1,95%) e tomate (5,46%).

O único grupo de des­pesas com deflação (queda de preços) foi transportes (-0,08%). Os combustíveis recuaram 0,94%, com 0,44% na gasolina e 4,93% no eta­nol. Outros grupos de des­pesa com inflação foram habitação (0,22%), artigos de residência (0,57%), vestu­ário (0,47%), comunicação (0,08%), educação (0,04%) e despesas pessoais (0,01%).

O Índice Nacional de Pre­ços ao Consumidor Amplo fechou o ano passado com avanço de 4,52%, também o maior desde 2016. O resulta­do ficou acima do centro da meta perseguida pelo Banco Central, de 4,0%, com mar­gem de tolerância de 1,5 pon­to para mais ou para menos.

INPC
O Índice Nacional de Pre­ços ao Consumidor (INPC) teve elevação de 0,38% em abril, após um avanço de 0,86% em março, segundo dados divul­gados pelo Instituto Brasilei­ro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (11).

Como resultado, o índi­ce acumulou uma elevação de 2,35% no ano. A taxa em doze meses ficou em 7,59%. Em abril de 2020, o INPC tinha sido de -0,23%, segun­do o IBGE. O INPC mede a variação dos preços para as famílias com renda de um a cinco salários mínimos (de R$ 1.100 a R$ 5.500) e chefiadas por assalariados.

Sinapi
O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) registrou taxa de inflação de 1,87% em abril, taxa supe­rior à de 1,45% de março e à de 0,25% de abril de 2020. O indicador acumula alta de 6,81% no ano e de 16,31% em doze meses.

Com a inflação de abril, o custo por metro quadrado da construção passou a ser de R$ 1.363,41. Os materiais de construção ficaram 3,14% mais caros em abril e passa­ram a custar R$ 789,10 por metro quadrado. Já o metro quadrado da mão de obra en­careceu 0,18% no mês e pas­sou a custar R$ 574,31.