SEGREDOS DE ALCOVA
Estávamos nos estúdios de uma TV onde apresentávamos pro­grama diário de entrevistas e estávamos aguardando uma comis­são organizadora de um desfile LGBT na praça central de Ribeirão Preto. Eis que foram anunciados pela produção três representan­tes da entidade que organizava o evento e junto estava uma mu­lher que já de início causou um frisson na rapaziada que tocava a programação com toda a parafernália eletrônica.

MULHER COM MUITOS ATRIBUTOS FÍSICOS
A morena tinha as curvas perfeitas e seu vestido realçava todas as partes de seus atributos físicos. Nem o “pomo de Adão” denun­ciava ser de outro sexo. Cabelo que muitas mulheres deveriam ficar horas em um salão de beleza para deixá-lo daquela forma. Enfim, arrasou. Todos participaram da entrevista, mas a dela foi que chamou mais atenção.

HISTÓRIA
A bela da tarde contou suas histórias de vida, sempre difíceis no começo e de seu sucesso na noite, onde apresentava espetáculos, incluindo o pole dance. Os telefones não paravam de tocar per­guntando uma coisa e outra e principalmente se era homem ou mulher. O segredo foi desfeito e a pessoa entrevistada disse que era homem e que iria se submeter a uma cirurgia “reparadora”.

CHUVA DE AMEAÇAS
O repórter perguntou se ela havia tido muitos casos com homens ou mulheres e ela dizia preferir os do sexo masculino, geralmente “empresários” (garantia ela). O repórter perguntou então se era intenção daquela moçoila em escrever um livro sobre suas aven­turas de alcova. Ela afirmou e garantiu que iria contar casos que iriam detonar certos cidadãos acima de qualquer suspeita.

CHUVAS E TROVOADAS
Ato contínuo, a resposta afirmativa de escrever tal livro, o celular da entrevistada começou a tocar e estava no “viva voz” que não se encontrava conectado “no ar”, mais ouvia-se ao longe os impropé­rios e as frases que finalizavam a conversa: “Eu te mato”…

NÃO SE AMEDRONTOU
Continuou a tecer sua teia de envolvimento dos seus affairs. Ga­rantiu que muitos que a procuravam, acrescentando ser a “maio­ria”, preferiam ser a “fêmea da fêmea”. Ai a coisa ferveu.

SUMIU
Depois da entrevista a enfocada saiu do foco e não foi vista mais nos “points” que outrora freqüentava. Sabe-se, hoje, pelo menos se comen­ta que se casou com grande empresário e hoje mora em Paris, em um dos locais mais badalados da Capital francesa, em apartamento que lhe foi dado de presente de casamento. E vivem felizes para sempre.

Comentários