Quem aguenta…
A energia elétrica terá um sobrepreço nas contas deste mês, incluindo os valores altos da chamada “bandeira vermelha”. Muitos consumidores observam que quando há fartura de chu­vas não se tem retorno como nos reajustes para cima, como o último autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), além dos extras por conta da seca.

Sem condição
Os trabalhadores não recebem salário atualizado pelas condi­ções da pandemia ou de outras intempéries. Pouco se fala ou se explica a respeito da dolarização da cobrança da energia elétrica pela construção de Itaipu e contratos elaborados com os países vizinhos. E a Aneel foi constituída para defender os consumidores. Quais?

Quem explica?
Já faz muito tempo, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) de­terminou às Câmaras Municipais que unificassem todas as taxas cobradas pelos municípios junto com o Imposto Pre­dial e Territorial Urbano (IPTU) em um imposto único. Taxa de bombeiro, Guarda Municipal e iluminação pública foram canceladas.

After
Depois desta medida, em outro governo, resolveu-se implan­tar a Taxa de Iluminação Pública, que caracteriza cobrança de tributo duas vezes. Atualmente, funcionários garantem que a cobrança é feita pela CPFL Paulista. Depois de abater os gastos que empresa teve com o serviço, devolve a sobra para a Secre­taria Municipal da Fazenda. Seria bom que os senhores vere­adores analisassem esta situação esdrúxula. Se é que existe.