Jornal Tribuna Ribeirão

Leitura no Cárcere – Jornada destaca remição de pena

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Observatório do Livro e da Leitura promo­vem, até esta quinta-feira, 23 de setembro, a segunda edição da Jornada da Leitura no Cárcere. O evento online, que acontece a partir de 14h30, traz especia­listas para discutir o fomento à leitura no sistema prisional do país, bem como a resolução CNJ 391/2021, sobre o direito à remi­ção de pena por meio de práticas socioeducativas em unidades de privação de liberdade.

As lives, compostas por mesas redondas, vão discutir, no primeiro dia, temas como “Remissão de pena e inclusão social”, “Práticas de leitura e es­crita em ambientes prisionais”, “A leitura liberta e ressignifica”, com a participação de pesqui­sadores, educadores, autorida­des e especialistas. Fechando a programação, “Literatura e poesia: lente para ler o mundo”, com escritores e artistas. A me­diação dos painéis será feita por Galeno Amorim, presidente do Observatório do Livro.

O lançamento de uma nota técnica conjunta do CNJ e Depen para implantação da Resolução CNJ n°391/2021 abre a programação de quar­ta-feira (22), com a partici­pação de Felipe Athayde Lins de Melo, coordenador do eixo de Políticas de Cidadania e Garantia de Direitos do Pro­grama Fazendo Justiça, do Conselho Nacional de Justiça; Carlos Rodrigo Martins Dias, coordenador de Educação, Cultura e Esporte do Depar­tamento Penitenciário Nacio­nal (Depen); e João Marcos Buch, Juiz de Direito da Vara de Execuções Penais e Corre­gedor do Sistema Prisional da Comarca de Joinville/SC.

“Vamos ler os clássicos? Um olhar sobre O Cortiço e Crime e Castigo”, “Vozes pelos direitos das mulheres” e “Li­teratura e cinema: uma jane­la para o mundo” completam a programação do segundo dia. A abordagem é destaque com a participação de Luiz Antonio Aguiar, mestre em literatura brasileira, escritor e roteirista, e Julio Emilio Braz, também escritor e roteirista.

A quinta-feira (23) traz na abertura, às 14h30, um sarau ao vivo direto de uma unida­de prisional do Rio Grande do Norte. Na sequência, “O livro e a leitura na rotina intramuros do cárcere: o papel das Bibliote­cas Prisionais” é destaque com a mediação de Catia Lindemann, presidente da Comissão Brasi­leira de Bibliotecas Prisionais. “Territórios de Leitura: incenti­vo à leitura por meio de práticas não escolares”. Um sarau com a rapper, arte-educadora e pro­fessora de jovens da Fundação Casa Tati Botelho encerra a II Jornada de Leitura no Cárcere.

Para Galeno Amorim, é fundamental estender a im­plementação da remição pela leitura para toda a população carcerária. Vale lembrar que ainda é possível fazer a inscri­ção: https://observatoriodoli­vro.org.br/jornada-carcere.

O evento pode ser acom­panhado nos canais do You­Tube de Galeno Amorim (@ CanaldoGaleno) e do Conse­lho Nacional de Justiça.

Deixe o seu comentário:

Mais notícias

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com