DIVULGAÇÃO

A Secretaria de Desenvol­vimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Esta­do de São Paulo finalizou o pro­cesso para destinação de recur­sos à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Ribeirão Preto. O envio da documentação ao Palá­cio dos Bandeirantes já foi reali­zado e, nos próximos dias, o go­vernador Márcio França (PSB) assinará a autorização para que a Agência Desenvolve SP faça a liberação da verba prevista de R$ 12 milhões. Os recursos vi­rão de um fundo especial ligado à Agência de Desenvolvimento Paulista – Fundo Estadual Cien­tífico e Tecnológico (Funcet).

De acordo com Ricardo Sil­va, secretário de Estado adjunto da pasta, esse trâmite envolveu órgãos técnicos e um grupo de trabalho altamente especiali­zado. Além disso, a verba será destinada pelo governo esta­dual, ou seja, não será um em­préstimo, já que o objetivo final é desenvolver projetos voltados à saúde da população.

“Estou como secretário faz poucos dias e recebi a missão do governador Márcio França para tocar esse processo adiante. A Secretaria de Planejamento já concordou que esses recursos precisam ser liberados ainda durante a atual gestão. A ordem do governador é tocar todos os projetos adiante, não parar nada pela metade. Ribeirão ganhará muito com esse investimento li­gado diretamente à saúde”, con­clui Ricardo Silva.

Os recursos serão destinados à implantação da primeira fase do projeto de pesquisa e desen­volvimento de uma plataforma, no Supera Parque, em Ribeirão Preto, para produção de dis­positivos do tipo point of care voltados ao diagnóstico rápido de zika, dengue e chikungunya, além de outras pesquisas vol­tadas à saúde. De acordo com a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, o dispositivo permitirá diagnóstico molecu­lar rápido, preciso e diferencial entre as doenças, incluindo a diferenciação entre os quatro so­rotipos do vírus da dengue, em cerca de 20 minutos.

Todo o projeto de instalação da unidade da Fiocruz em Ri­beirão Preto está orçado em R$ 18 milhões. Cerca de R$ 6 mi­lhões foram levantados junto ao Banco Nacional de Desenvolvi­mento Econômico e Social (BN­DES) e R$12 milhões por meio do Funcet. A cidade também deverá receber um centro de pesquisa do Instituto Butantan. Estudos já foram realizados so­bre a possibilidade real da insta­lação, segundo o prefeito Duarte Nogueira Júnior (PSDB).

O Instituto Butantan é um centro de pesquisa biomédica vinculado à Secretaria de Es­tado da Saúde de São Paulo, responsável pela produção de mais de 80% do total de soros e vacinas consumidas no Brasil. Sua missão é desenvolver estu­dos e pesquisa básica na área de biologia e de biomedicina, rela­cionadas direta ou indiretamen­te com a saúde pública.