Entre os presos custodia­dos pela Secretaria da Admi­nistração Penitenciária (SAP) que prestaram o Exame Na­cional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade (Enem PPL) 2.444 obtiveram média em matemática igual ou superior a 450 pontos e não zeraram em redação. Com a nota eles se tornaram aptos a concorrerem a uma vaga no Ensino Superior no segundo semestre deste ano, a partir do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), do Programa Universi­dade para Todos (ProUni) ou do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Em função da pandemia da covid-19 a aplicação do exame foi reali­zada em fevereiro deste ano.

Para treinar os candida­tos inscritos no Enem PPL, a SAP proporcionou um cur­sinho preparatório com 160 horas de aulas a distância. A medida foi inédita e foi pos­sível após uma parceria do Grupo de Capacitação, Aper­feiçoamento e Empregabili­dade da Coordenadoria de Reintegração Social (CRSC) da pasta com o Instituto SEB.

Segundo Lucas Roberto Gonçalves da Silva, diretor do Grupo, fizeram parte do cronograma de estudos 100 videoaulas, apresentações de Power Point, 25 listas conten­do exercícios com questões e 20 propostas de redação, além de um manual especí­fico para correção dos textos. “Quando as pessoas privadas de liberdade têm a oportuni­dade de estarem mais prepa­radas para o Exame Nacional é extremamente positivo para todo o ciclo da execução da pena e pelo trabalho desen­volvido pela SAP”, explicou.

Além de disponibilizar os ensinos Fundamental e Mé­dio nas unidades, por meio de parceria com a Secretaria de Estado da Educação, a SAP incentiva que os reeducan­dos deem continuidade aos estudos. Atualmente, 17.179 estão estudando dentro das unidades, nos ensinos fun­damental e médio, por meio de parceria com a Secretaria Estadual de Educação, ou no ensino superior via EAD.