Em menos de uma semana, na próxima quarta-feira, dia 19, Ribeirão Preto comemora mais um ano de emancipação política. São 163 anos de vida independente e autônoma de uma cidade que cresceu e se desenvolveu muito além de suas pares, na região, fundadas na mesma época. De distrito da cidade de São Simão, Ribeirão Preto atraiu grandes investidores em lavouras de café que transformaram a pequena vila em uma cidade de grandes feitos, grandes eventos e provedora de muitas riquezas, para o seu povo, a região e o país, com suas exportações.

Após o café veio o ciclo da cana-de-açúcar, que se mantém em franca produção e a estimulador o crescimento. Agora Capital do Agronegócio, Ribeirão Preto lidera uma grande região de municí­pios menores e não menos importantes. Sua Região Metropolita­na tem 34 municípios e 1,7 milhão de habitantes, mas muito mais cidades fora da área “oficial” gravitam no seu entorno e servem e são servidas por esta metrópole que cresce sem se descuidar da qualidade de vida de seus cidadãos.

Voltada ao comércio e à prestação de serviços, a cidade também abriga suas indústrias de grande capacidade de pro­dução. Destas unidades fabris saem produtos para o mundo, para fortalecer a balança comercial já abastecida com pro­dutos do agronegócio. É sede de região produtora de energia da cana, do combustível limpo, que leva ao desenvolvimento indireto de pequenas e médias empresas, com reflexos na criação de maior número de empregos no interior paulista e de diminuição dos efeitos da crise vivida pelo país.

Ribeirão Preto é uma cidade com pernas e velocidade pró­prias. Ainda precisa de recursos externos em função de um complexo e injusto pacto federativo, que concentra recursos prin­cipalmente nas mãos da União, e de imprevidência de gestores do passado, que não tiveram a visão de futuro, o planejamento necessário para projetar receitas e despesas por décadas à frente. E comprometeram as finanças notadamente para o pagamento de servidores ativos e inativos, que nenhuma culpa tem dos erros cometidos. O resultado é um aumento de demandas sociais sem o devido lastro financeiro para atendimento.

É um desafio diuturno administrar esta cidade maravi­lhosa que amo e da qual tenho imensurável orgulho. Mas são desafios que me dispus a enfrentar e que encaro como opor­tunidade única de servir a Ribeirão Preto e a seus cidadãos. Nossa gestão tem trabalhado incansavelmente para trazer dias melhores e uma cidade melhor para quem nos suceder. É uma equipe firme, motivada e que trabalha com garra o tempo todo, com foco no respeito e dedicação às pessoas. E os resultados são visíveis, muito embora haja quem ainda não enxergue.

Estou feliz por fazer o que faço. Estar à frente da admi­nistração pelo terceiro aniversário consecutivo da cidade é uma grata satisfação. Hoje posso olhar rapidamente para trás e perceber que no ano passado estávamos melhor que o anterior e que neste ano estamos melhor que o ano passado. E estou convencido de que estaremos muito melhor no pró­ximo aniversário. Porque o planejamento foi feito, as ações obedecem com dedicação os projetos previstos para, inevita­velmente, resultar em importantes conquistas para a cidade.

Temos muito a comemorar. Nosso trabalho está voltado para toda a cidade, mas principalmente para pessoas que mais precisam do governo. As ações nas áreas sociais aconte­cem todos os dias, muito embora não tenham a mesma visibi­lidade das grandes obras, que também são tocadas dentro dos investimentos que conseguimos viabilizar. Há muito progres­so, muito avanço para quem quiser perceber, sem os olhos e ouvidos da crítica fácil e acusatória.

Então vamos celebrar com a alegria e a emoção que nossa cidade merece. Parabéns Ribeirão Preto.

Comentários