Maria de Jesus Condeixa – Viaduto recebe vigas de 56 toneladas cada

0
51
ALEXANDRE DE AZEVEDO/CCS

A instalação de doze vigas pré-moldadas, de 32 metros e 56 toneladas cada, para a constru­ção do viaduto da avenida Ma­ria de Jesus Condeixa, começou nesta sexta-feira, 31 de julho, e deixou o trânsito complicado na região, a pesar do comuni­cado emitido pela Empresa de Trânsito e Transporte Urbano de Ribeirão Preto (Transerp), inclusive com rotas alternativas.

As estruturas sustentarão o trecho que passará sobre o cór­rego Retiro Saudoso, na aveni­da Doutor Francisco Junqueira, interligando a Maria de Jesus Condeixa com a avenida An­tônio Diederichsen, na Zona Sul da cidade. No mês de maio, foram implantadas doze vigas pré-moldadas de 16,5 metros de extensão e 22 toneladas.

Seis foram instaladas na avenida Antônio Diederichsen e as outras seis, na Maria de Jesus Condeixa. As peças ofe­recem sustentação para receber a construção de laje de con­creto que receberá a pista de rolamento na sequência. “Esse é o viaduto que nomeamos ‘Profissionais da Saúde de Ri­beirão Preto, em homenagem àqueles que trabalham na linha de frente para proteger a nos­sa população da pandemia do novo coronavírus”, diz o prefei­to Duarte Nogueira Júnior.

“O guindaste que está fa­zendo o lançamento das vigas comporta até 450 toneladas, é uma etapa do projeto que precisa ser executada com muito zelo”, emenda. A obra, contemplada no Programa Ribeirão Mobilidade, fará uma ligação entre as zonas Oeste e Sul com a Leste. O serviço irá beneficiar os mo­radores dos bairros Castelo Branco, Iguatemi, Santa Cruz do José Jacques, Vila Seixas, Jardim Macedo, Jardim Amé­rica e Centro. As obras tive­ram início no final de agosto de 2019.

Com investimento inicial previsto em R$ 20.180.431,35, a Construtora Hejos foi con­tratada através de processo li­citatório por R$ 15.285.365,82, gerando uma economia de R$ 4.895.065,53 aos cofres públi­cos. O prazo de execução é de 18 meses. “Ao todo, serão 98 metros lineares de obras de arte e cerca de 200 metros de estruturado, três mil metros cúbicos de concreto utilizados, meia tonelada de aço a serem colocados nas torres e 24 vigas pré-moldadas protendidas”, diz o secretário de Obras Públicas, Pedro Luiz Pegoraro.

Com 75% do projeto exe­cutado, também foi concluí­do o processo de alteamento da rede elétrica. A rede de alta tensão passou de 14 me­tros de altura para 20 metros para garantir a segurança dos motoristas que passarem pelo viaduto. Por questões de se­gurança, a distância mínima do veículo que passa sobre a ponte e a catenária de energia elétrica tem que ser, no míni­mo, de oito metros.