VALTER CAMPANATO/AG.BR.

Os pequenos negócios vol­taram a responder pela geração de novos empregos no mês de abril. Segundo levantamento feito pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa (Sebrae), baseado nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desemprega­dos (Caged), do Ministério da Economia, esse segmento ge­rou, no mês passado, 93,7 mil postos de trabalho formais. O saldo foi quase três vezes maior que o gerado pelas média e grandes empresas e represen­tou 72,3% do total de empregos gerados no país no mesmo pe­ríodo, que foi de 129,6 mil.

No acumulado dos pri­meiros quatro meses do ano, os pequenos negócios abriram quase 300 mil novos empregos. As médias e grandes empresas (MGE) criaram apenas 20,3 mil novas vagas. Entretanto, o saldo de postos de trabalho ge­rados pelas micro e pequenas empresas (MPE), no primeiro quadrimestre deste ano, ainda está 14,4% abaixo do saldo ge­rado por elas no mesmo perío­do do ano passado.

“A recuperação do emprego passa pela retomada da econo­mia, que depende diretamente da retomada da confiança de investidores, da aprovação das reformas no Congresso Na­cional”, analisa o presidente do Sebrae, Carlos Melles. “Os nú­meros mostram que o empre­endedorismo está no sangue do povo brasileiro. Foram os pequenos negócios os grandes responsáveis pelo grande nú­mero de abertura de vagas no mercado de trabalho. E isso mesmo em tempos difíceis economicamente”, acrescenta.

Serviços
O levantamento do Sebrae apontou ainda que nos primei­ros quatro meses do ano, as MPEs do setor de Serviços ca­pitanearam a geração de empre­gos, com um saldo de 193 mil novos postos de trabalho, 69% do total de empregos gerados no período de 2019. As MPEs que atuam no comércio, porém, ain­da continuam a registrar saldos negativos de vagas de trabalho no acumulado de 2019, o que significa que demitiram mais do que contrataram. Mesmo assim, ainda geraram 10,6 mil postos no mês passado.

Em todos os setores, as MPEs registraram saldos positi­vos de empregos gerados no mês de abril de 2019, mas foram os pequenos negócios do setor de Serviços que puxaram a geração de empregos, criando mais de 55 mil postos de trabalho, 3,6 vezes mais do que as MPEs da cons­trução civil, segundo setor em que as micro e pequenas empre­sas mais empregaram nesse mês. Pelo levantamento, as médias e grandes empresas tiveram uma queda de 1.057 postos de trabalho neste segmento, en­quanto os pequenos negócios abriram 15,1 mil vagas.

Estados
As micro e pequenas em­presas do estado de São Paulo lideraram a geração de em­pregos no país em abril deste ano, respondendo pela criação de 29,3 mil postos de trabalho e foram acompanhadas pelas MPEs de Minas Gerais, com 14,7 mil empregos. Com isso, as MPEs da região Sudeste foram as que mais geraram postos de trabalho neste mês no país (52,9 mil empregos), seguidas pelos pequenos negócios da região Nordeste, que respon­deram pela geração de 17,8 mil empregos. Praticamente todos os estados do país tiveram saldo positivo, com exceção ao Rio Grande do Sul, que registrou mais demissões que contrata­ções no segmento.

Comentários